“Ministério do Tempo” viaja até aos tempos de Napoleão


Ministério do Tempo

“Ministério do Tempo” é a série das segundas-feiras da RTP1

“Ministério do Tempo” leva-nos numa viagem pelos quase nove séculos da História de Portugal.

As figuras que mais marcaram o nosso país cruzam-se em encontros insólitos e originais, viajando entre várias épocas, criando enredos inesperados e vivendo situações fantásticas.

Uma emocionante história repleta de aventuras para acompanhar à segunda-feira, pelas 21h, na RTP1.

 

No episódio da próxima semana (dia 20 de março), intitulado de “Tempo do Mosteiro”, viajamos por 1807 e 2016.

Elvas, Natal de 1807. A irmã Maria de Santa Teresinha, superiora de uma congregação forçada pelos franceses a prestar auxilio às suas tropas durante as invasões, recebe a notícia de que Napoleão Bonaparte vai visitar o Forte da Graça. A religiosa não aguenta o choque e cai fulminada por um ataque cardíaco.

Lisboa, 2016. Salvador convoca a patrulha. Amélia, Pacino e Afonso são informados dos graves acontecimentos que se desenrolam em Elvas, em 1808. Ao contrário do que afirmam os historiadores, o Ministério do Tempo sempre soube de uma curta e secreta visita de Napoleão a Elvas, com o objetivo de supervisionar os avanços do general Soldano.

Esta visita esquecida pela história tem uma importância fundamental para o Portugal que conhecemos hoje. Foi durante a consoada de 1807 que a irmã Maria de Santa Teresinha convenceu Napoleão a indultar três prisioneiros portugueses, condenados por espionagem e condenados à morte. Um deles, Rodolfo Maia, é antepassado direto do Capitão Salgueiro Maia, um dos heróis do 25 de Abril.

Pacino, que viveu a revolução dos cravos, percebe a importância desta missão e quer partir de imediato. Mas primeiro precisam de alguém que possa substituir a irmã Maria de Santa Teresinha. A escolha recaí sobre Maria dos Prazeres que, assim, vai pela primeira vez em missão.

Amélia, Pacino e Maria dos Prazeres chegam a Elvas, em 1807. O primeiro francês com quem se cruzam é o Marechal Ney, que chegou ao forte pouco antes de Napoleão, para preparar a chegada do Imperador. Pacino trava conhecimento com o militar e fica, desde logo, surpreendido com a maneira como é tratado pelo francês.

Maria dos Prazeres não tem papas na língua. Odeia os exércitos napoleónicos. Começa por discutir com Ney. E, assim que vê Napoleão, desentende-se com ele. De repente, não só o salvamento de Rodolfo Maia parece impossível, como a própria vida de Maria dos Prazeres está em risco.

Salvador manda Afonso em socorro dos amigos.

Em 2016 outros planos entram em execução. Irene e Susana Meireles sentem que a sua hora chegou. Mas para isso, têm que se livrar de Salvador.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close