«A decisão da TVI de sair da CAEM revela mau perder», Luís Marques arrasa posição da TVI

Luís Marques quebrou o silêncio à Notícias TV

O diretor-geral da SIC e presidente da CAEM em fim de mandato, Luís Marques, atirou-se à postura da TVI, que abandonou a CAEM com a RTP e afirma que se tratou de «mau perder» por parte da estação de Queluz.

Numa entrevista à Notícias TV, Marques afirma que «A decisão da RTP e TVI de saírem da CAEM foi extemporânea e, no caso da TVI, revela algum mau perder» e continua afirmando que lamenta a situação e que «é preciso analisar as posições da TVI em detalhe porque mudou várias vezes de posição».

O responsável regressa onde tudo começou: «No verão de 2010, quem pediu uma auditoria à Marktest foi a TVI, defendeu um concurso para um novo operador de audimetria, contrariando um acordo que tinha com a SIC e RTP. Foi a TVI que apoiou a escolha da GfK. E agora é extraordinário que a TVI seja contra a GfK. Não é estranho? A SIC e RTP estiveram sempre contra, mas a coisa fez-se. A SIC teve sempre uma posição de defesa da autorregulação e da CAEM».

A RTP, que também saiu da CAEM teve, na opinião do gestor, uma «posição mais coerente» pois sempre foi contra a GfK mesmo antes desta começar a medir, ao invés da TVI que fez força para que este sistema se implantasse.

Luís Marques afirma ainda que a estação de Queluz não estava habituada, nas palavras dele, ao contraditório e que perdeu a votação por uma maioria esmagadora e, depois, saiu. «A TVI não estava habituada a ter contestação [na CAEM] e não lida bem com posições contrárias. A TVI perdeu a votação na assembleia geral por 85%. Não foi 50 nem 51%. Perdeu na secção de meios, na direção e na assembleia. Portanto, abandonar a CAEM nestas circunstâncias mostra uma estranha forma de entender a democracia», afirmou.

Apesar de afirmar que o painel da GfK «não é perfeito porque não há painéis perfeitos», o diretor-geral de Carnaxide afirma que todos os pressupostos como classes ou faixas etárias foram aprovadas em CTC (comissão técnica) que é formada pelos responsáveis de audiências de cada canas e dos meios. Foram estes que verificaram e deram o aval, a 100%, ao painel, depois das correções de que foi alvo.

A RTP e TVI propuseram pagar e fazer uma nova auditoria aos dados GfK, mas a CAEM recusou (por 85% dos votos). O organismo que representa todos os anunciantes, todas as agências de publicidade, as distribuidoras de televisão por cabo (como MEO e ZON) e os canais, achou que se tinha saído de uma auditoria e que não era necessária outra. Apenas RTP e TVI se opuseram.

«O CTC [que representa todos] considerou o painel válido. Fazer mais uma auditoria seria manter a instabilidade, a desconfiança e isso é insustentável para o mercado», disse Luís Marques acerca desta questão, que opôs todos os anunciantes, agências, distribuidoras de cabo e SIC à posição da RTP e da TVI.

O responsável adianta ainda que, tal como está no caderno de encargos, estão previstas 3 auditorias e que a próxima será já em 2014. Quanto a uma possível volta da RTP e TVI à CAEM, Luís Marques espera «sinceramente» que ela aconteça.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

  • ivo

    Tem razão!

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close