«A GfK é o bode expiatório para os erros que a TVI tem cometido», Luís Marques


Audiências

Luís Marques, numa entrevista à Notícias TV, culpa a própria TVI pelos resultados nas audiências. «A GfK é o bode expiatório para os erros que a TVI tem cometido na programação. A força da TVI sempre esteve na ficção. Nos últimos anos está a tornar-se numa estação de reality shows e o público não é o mesmo. Com esta estratégia a TVI desprotegeu o acesso ao “Jornal das 8”, a primeira linha de primetime e deu oportunidade à SIC de crescer, que já estava forte. é uma opção legítima, mas não podem querer ter sol na eira e chuva no nabal», disparou.

À mesma revista, o diretor-geral da SIC afirma que todos os painéis são suscetíveis de levantar dúvidas: «Suspeitas há sempre, é preciso é fundamentá-las, provar que este painel é mau. Ninguém consegue provar. É o melhor painel, tem 1046 lares em Portugal. O da Marktest produzia cerca de 800».

Quanto à perda de audiências da RTP, a estação que mais tem perdido audiências, o responsável da SIC afirma que se calhar é melhor olhar-se para a grelha da estação pública antes de emitir juízos: «É preciso ver que conteúdos é que a TVI ou a RTP têm, se são mais competitivos. Já alguém se perguntou se a programação da RTP sofreu ou não algum tipo de erosão por modelos que, se calhar, se esgotaram. O problema é que se discutem audiências como se fossem uma realidade abstrata. Porque é que a SIC não pode considerar que estava a ser prejudicada pela Marktest?», questiona.

Luís Marques é claro e afirma que «Há uma guerra pelo investimento publicitário». Os cinco a dez milhões que a TVI diz ter perdido por causa deste painel, na opinião do responsável não há uma relação causa-efeito. «É mérito nosso. Não foi a GfK que nos deu. São os nossos conteúdos, é a nossa área comercial que está a trabalhar melhor. O que é que posso fazer?», questiona.

O ainda presidente da CAEM não se arrepende de ter aceitado o cargo e não acha que vá ficar associado a um período negro da televisão portuguesa.

Em 1998 houve mudanças drásticas no painel de audiências que vigorava na altura e a TVI começou a subir de repente, tendo passado para a frente já na era pós-“Big Brother”. Luís Marques não acha que sempre que há uma mudança profunda, há um novo líder: «Isso não quer dizer nada. A CAEM, a CAEM, a direção da CAEM, não tem rigorosamente nenhuma possibilidade de influenciar o trabalho da GfK. Não tem, não quer nem pode», termina, à Notícias TV..

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close