“Amor à Vida”: Elizabeth Savalla defendeu-se das críticas que a sua personagem tem sido alvo

“Amor à Vida” é a nova novela da Globo

Em entrevista à imprensa brasileira, Elizabeth Savalla rebateu as críticas das ex-chacretes e enfatizou que a novela é obra de ficção.

As chacretes foram assistentes do extinto programa do Chacrinha. Algumas ganharam fama e tiveram carreiras autónomas como cantoras ou atrizes.

«Soube que várias ex-chacretes estão chateadas porque a Márcia já se prostituiu. Gente, se o vilão gay (Mateus Solano) é mau-caráter, não quer dizer que todo gay é assim. A mesma coisa acontece com as chacretes. Novela é ficção. Se a Márcia foi prostituta, não quer dizer que toda chacrete se prostituiu. A minha versão é uma grande homenagem às pessoas que passaram pela vida com dificuldade, sem apoio de ninguém. A Márcia vende cachorro-quente, foge do rapa e faz de tudo para se virar e criar a filha (Tatá Werneck)», explicou a atriz.

A atriz confessou ainda que teve medo de interpretar uma ex-chacrete devido à tendência de estereotipo que poderia haver na construção.

«”Falei para os autores: “não quero fazer uma caricatura e cair em estereótipos, quero dar dignidade a essa mulher”», lembra.

«A Márcia é uma personagem muito complexa de ser feita», garante a atriz, que procurou Rita Cadillac (uma ex-chacrete) para entender melhor sobre a vida das chacretes e os motivos que fizeram muitas delas irem da fama ao anonimato.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close