‘Caso CAEM’: «A TVI está disponível para conversar» Luís Cunha Velho quebra o silêncio


TVI

Luís Cunha Velho fala do atual braço-de-ferro que opõe a TVI à CAEM

Luís Cunha Velho, director da TVI disse ao Diário Económico que não está contra o mercado e que não conhece a posição dos restantes operadores dentro da CAEM (Comissão de Análise de Estudos de Meios).

Só a validação do painel de medição de audiência pela PricewaterhouseCoopers (PwC) pode ditar o regresso da TVI à CAEM. «A TVI pediu a exoneração da CAEM por achar que, a direcção anterior não representava o mercado, nem a auto-regulação. Isto porque a TVI solicitou uma validação externa, que não foi aceite pela direcção da CAEM, quando a própria GfK não se opunha. A TVI e a RTP consideram que, para a transparência e lisura do mercado, é imprescindível fazer esta validação, neste caso pela PWC, porque foi quem fez a primeira auditoria, onde se detectaram algumas anomalias. O que levaria a TVI a equacionar qualquer hipótese futura era estarem preenchidos estes requisitos», disse o responsável de Queluz de Baixo ao Diário Económico.

O patrão da TVI afirma que ainda não se reuniu com a nova direção e conta que com a anterior direção (presidida por Luís Marques) não havia quaisquer laços: «Desde dezembro que ninguém contactou a TVI, por isso é falso que tenha havido tentativas de consenso. A TVI está sem o contacto da direção cessante há seis meses, parece-me que alguma coisa não está correta. Se houvesse vontade de resolver a questão, teria havido contactos nesse sentido».

Embora afirme que com a anterior direção não havia comunicação, com a nova estrutura, Luís Cunha Velho já não dá tantas certezas «Não posso confirmar, não estou dentro desse assunto».

Quando questionado se a SIC usou a presidência da CAEM a seu favor, o responsável diz não querer «entrar por aí» e afirma que não compreende «é que dois dos três principais players de televisão em sinal aberto tenham solicitado uma validação e ela não tenha sido entendida na direção da CAEM».

Em relação à nova estrutura da CAEM, Luís Cunha Velho diz que «A TVI está disponível para conversar, se a quiserem ouvir. Os indicadores que temos é que há abertura…».

As perdas de 2012 para 2013 rondam os oito milhões de euros, mas o responsável não atribui diretamente aos números GfK esta queda abruta até porque precisa, primeiro, «de saber se este painel representa a população portuguesa, segundo os censos de 2011, em todas as vertentes».

Cunha Velho acha ainda «muito estranho que se diga que a TVI está contra o mercado, quando a direção da CAEM não tomou nenhuma iniciativa para conversar com a TVI». A verdade é que o painel ainda não foi formalmente validado e só aí a TVI tomará a decisão de reentrar ou não: «Que se valide o painel. Não compreendo como se diz que a TVI não aceita ou não está com o mercado quando há 6 meses que não é convocada pela CAEM para discutir seja o que for».

A TVI não pagou ainda à GfK porque usa dados Marktest, embora venda ao mercado dados GfK. Luís Cunha Velho admite vir a pagar à empresa alemã, pois está obrigado a usá-los: «A TVI cumpre todos os seus compromissos e obrigações, neste momento entendemos que o serviço não está bem prestado, a seu tempo assumirá todos os compromissos», termina ao Diário Económico.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close