Comédia “Vade Retro” estreia na Globo Portugal


Vade Retro

“Vade Retro” estreia na Globo Portugal

A vida de Celeste (Monica Iozzi), uma doce e ingénua advogada, andava pacata e tranquila até Abel Zebu (Tony Ramos), um empresário milionário, misterioso e sem escrúpulos, cruzar o seu caminho.

Cheio de segundas – e terceiras – intenções, aquele que aparenta ser a própria encarnação do mal vai fazer de tudo para corromper Celeste, mesmo com as tentativas da advogada de resistir aos seus encantos. Este é o argumento da comédia “Vade Retro”, série que pode ser vista pelos espectadores da Globo a partir do dia 22 de outubro, às 20h40.

Com um namoro morno com Davi (Juliano Cazarré), uma carreira estagnada e uma vida sem grandes emoções, Celeste torna-se o alvo ideal para Abel Zebu, um homem que não tem freios na língua, nem nas suas atitudes, fazendo de tudo para conseguir o que quer.

Sem saber ao certo onde está a meter-se, a advogada tenta resistir aos encantos e ao poder deste homem, ao mesmo tempo que  sente-se atraída por tudo o que ele tem para oferecer.

Enquanto tenta impressionar o único cliente do escritório, amigos e familiares de Celeste fazem-na passar por apuros hilariantes. É o caso, por exemplo, da sua mãe Leda (Cecília Homem de Mello) que, com toda a sua devoção religiosa tem conhecimentos para afastar qualquer coisa má do caminho, mas ainda não consegue usar um microondas, além de ter habilidade zero para manter segredos. E embora irritado com a presença da sogra na casa da namorada, Davi encontra nela uma aliada para provar que Abel é muito mais do que um sujeito sem ética que está a tentar esconder outra personalidade. 

Para Monica Iozzi, entre as principais características da Celeste está a forma como as pessoas poderão facilmente identificar-se com ela. «Isso é que o Celeste tem de mais bonito. Afinal, quem nunca se sentiu tentada, seduzida por algo? A Celeste não desconfia das pessoas e eu também tenho um pouco disso», revela a atriz.

Já Tony Ramos, responsável por dar vida ao homem de tantos mistérios, artimanhas e caráter para lá de duvidoso, comenta: «Sou um homem muito religioso, nunca me atemorizou falar do diabo. Temos que falar sobre tolerância, liberdade de expressão e géneros».

Assinada por Alexandre Machado e Fernanda Young, “Vade Retro” surge como uma comédia entre o bem e o mal, que levanta questões éticas inerentes a todo ser humano.

Pontuada por um tom sarcástico, ácido e bem-humorado, a série, que resulta de uma coprodução da Globo com a O2 Filmes, é contemporânea e tem inspirações cinematográficas.

«Usámos muito da técnica do Stanley Kubrick de one point perspective view, em que centralizamos os personagens para dar a impressão de que existe uma atmosfera de suspense em volta. Esta é uma comédia mesmo, os personagens vão morrer de medo em cena, mas, no fim das contas, é patético e engraçado», diz Mauro Mendonça Filho, diretor artístico de “Vade Retro”.

Cenografia

Para dar início aos trabalhos de construção de “Vade Retro”, os processos de pesquisa foram intensos.

A história acontece numa cidade que tem características muito semelhantes a São Paulo, mas que não é exatamente a capital paulista.

Da banda desenhada e da sétima arte, o diretor artístico encontrou em Gotham City, onde vive o super-herói Batman, uma referência para a construção de uma cidade que não existe.

«Vamos ver São Paulo assim como acontece com Gotham City: é um lugar que gente acha que é Nova York, mas não é e vamos embarcar nessa fantasia. Brincamos um pouco com o que vem do Stanley Kubrick, e com referências de São Paulo, como o Conjunto Nacional, o Jockey Club e o auditório Parlatino (Memorial da América Latina)», comenta Mauro. 

Destaque ainda para o trabalho de computação gráfica que foi feito para criar uma atmosfera sombria e fantástica na série.

O prédio onde Abel trabalha, por exemplo, tem uma cúpula mais alta, para conferir imponência ao local, assim como a sua mansão e a sua casa de campo. A expressão «o tempo fechou» é levada à letra quando o céu da cidade de ‘Vade Retro’ transforma-se de uma hora para a outra. 

Caracterização e figurino

As equipas de caracterização e figurino também realizaram uma intensa pesquisa para compor a aparência de cada personagem.

Anna Van Steen, caracterizadora de “Vade Retro”, procurou levantar os traços de personalidade de cada um para definir como seria a sua maquilhagem.

«No Abel (Tony Ramos), ressaltamos a agressividade, a autoestima elevada e o charme. Por isso ele tem o cabelo sempre alinhado, a barba arrumada e as sobrancelhas arqueadas», conta, acrescentando que utilizou tinta para escurecer a barba e o cabelo do ator, além de alguns apliques na sobrancelha.

«Com a Celeste, reforçamos o seu lado mais infantil e cómico, para lembrar que ela não é uma pessoa perfeita. Por meio das imperfeições, exaltamos a comédia: o cabelo está sempre desalinhado, a franja mal acabada, as unhas nem sempre arrumadas», completa Anna.

A atriz Maria Luisa Mendonça, que interpreta Lucy, mulher de Abel, tem traços exagerados, uma maquilhagem carregada, nada naturalista, aproximando-se muito do universo fantástico de Tim Burton.

Já Carrie (Nathália Falcão) e Damien (Enrico Baruzzi), os filhos do casal, são característicos de séries de terror: «Ambos têm pele muito branca, com olheiras; eles são lunares, góticos».

O figurino também teve como base a realidade contemporânea, mas com toques de fantasia. Por isso, a equipa de Verônica Julian inspirou-se em diversos momentos do cinema para dar o tom das personagens e criou as composições em cima de cada tipo de cinema.

«Abel representa o cinema italiano, aquele bon vivant, lembrando o Marcello Mastroianni, que é um ícone de estilo e elegância. Já a Celeste traz uma atmosfera mais francesa, lembrando traços delicados de Anna Karina, a musa de Jean-Luc Godard, e nouvelle vague», explica a figurinista.

Outras personagens também trazem referências do cinema, como é o caso de Kika (Luciana Paes), que «tem traços de Almodóvar, é um mulherão, é sensual, usa roupas que evidenciam o corpo». Para compor toda a dimensão do que será visto na série, Verônica criou cerca de 70 desenhos com as referências do que tinha a intenção de fazer.

Composta por 12 episódios, “Vade Retro” é uma das megaséries que a Globo irá exibir aos domingos, já a partir de dia 22. “A Fórmula”, “Sob Pressão” e “Carcereiros” completam o leque.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close