“Conta-me Como Foi”: Resumos dos episódios

"

O “Conta-me Como Foi” está de regresso 10 anos depois com novos episódios. 

A saga da família Lopes parecia ter encontrado uma conclusão a 25 de Abril de 1974… Mas retoma agora, passado uma década, para encontrarmos os nossos velhos conhecidos a viver o turbilhão que é o País nos anos 80: A década em que Portugal se modernizou, entrou para a CEE e, em muitos aspetos, se tornou no País que conhecemos hoje.

Saiba o que aí vem:

Episódio 3 (21 de dezembro de 2019)

Nos anos 80 um novo espírito de aventura nascia no imaginário de todos os portugueses e nenhuma prova despertava mais interesse do que o Paris-Dakar.

Margarida está desanimada por receber poucos clientes na loja e desabafa com António. Na Francesinha, conversam com Zé que diz ter uma solução: um conhecido seu tem uma fábrica que produz calças para a Lois Vitton e Levi’s. E diz a Margarida que os adolescentes querem é comprar roupas de marca.

Carlos precisa que a mota seja reparada. No mecânico, Paula diz-lhe que tem de ser o pai a resolver o problema e que só no dia seguinte ficará pronta, recomendando-lhe uma pensão para ele passar a noite.

Toni encontra-se com Antunes, o PJ que lhe entrega a lista de nomes das FP-25.

Paula convida Carlos para fazerem uma corrida. Paula conduz como se estivesse num rally e revela que o pai não a deixa participar em corridas. Os dois beijam-se.

Bruno mete-se com Susana, deixa-a dar uma volta na bicicleta BMX em troca de um beijo. Susana, muito despachada, beija-o e pega na bicicleta. Hermínia vê e manda-a para casa.

Virgílio recebe António e Margarida na fábrica. Mostra-lhes as calças de ganga, mas Margarida percebe que o vestuário é contrafação. Comenta com António e decidem ir embora.

A mota de Carlos está pronta. Paula acha que ele devia voltar para Lisboa, pois não é a fugir que se resolvem os problemas.

Cardoso vê a lista dos FP-25. Toni reconhece um deles, foi seu companheiro de regimento em África, e conta que era o responsável pelos explosivos.

Carlos chega a um café no Alentejo, entra e aproveita a pausa para uma reflexão. É nesta que Carlitos decide escrever um livro sobre a sua família. Senta-se, tira uma caneta do bolso e um guardanapo e escreve o título “Conta-me Como Foi”.

Páginas: 1 2 3

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close