ESC2013 – A Crítica [2ª Semi-Final] (Antevisão)


Por João Leite e Tiago Vale

Por João Leite e Tiago Vale

Na próxima Quinta-feira, dia 16 de Maio, terá lugar a 2ª Semi-final do Festival Eurovisão da Canção de 2013, onde mais 17 concorrentes irão aproveitar os 3 minutos em palco da melhor forma para mostrarem o que valem e, quem sabe, levarem a sua bandeira para a Grande Final, no Sábado. Se ainda não teve oportunidade e quiser ler a análise à 1ª Semi-final, redigida por João Leite, clique aqui.

Esta crítica vai consistir numa pequena antevisão do que será a segunda gala eurovisiva, em que eu vou comentar as prestações dos artistas, tendo como base os seus ensaios, disponíveis no canal oficial da Eurovisão no Youtube, para quem quiser matar o bicho da curiosidade.

Como disse, são 17 os países que lutam para serem dos 10 finalistas com passaporte para a Grande Final: a Letónia, São Marino, a Macedónia, a Finlândia, Malta, a Bulgária, a Islândia, a Grécia, Israel, a Arménia, a Hungria, a Noruega, a Albânia, a Geórgia, a Suíça e a Roménia (por esta ordem de apresentação). Dada a alteração do sistema de voto, como já foi referido por João Leite, é de facto difícil prever quem serão os afortunados. Uma curiosidade macabra: temos a presença, na mesma semi-final, de dois países antagonistas: Arménia e Azerbaijão. Mas deixemos de pormenores, a passemos a apresentação dos candidatos:

  • Letónia – Nunca foi um país que me atraísse com as suas propostas, e este ano não é excepção. É um estilo musical que simplesmente não vai de encontro aos meus gostos. Contudo, é notável a boa energia que este duo transmite, e com certeza poderá ser um bom início de noite. A indumentária é a mesma apresentada na final nacional. Terá com certeza o apoio da camada mais jovem que assiste ao festival, fãs de dubstep, entre outros. Classificar-se à final? Don’t think so.
  • São Marino – uma das grandes surpresas este ano, se tivermos em consideração o ridículo do ano passado. Não sei com que substâncias ilícitas o compositor estava sob influência no ano passado, uma vez que é o mesmo que produz este ano a Crisalide. Eu, pessoalmente, gosto muito, e é uma combinação eficaz entre uma balada e um instrumental a puxar para o pop-dance no final. Infelizmente, estamos a referir-nos a São Marino, um país pequeno e que terá dificuldade em passar à final.
  • Macedónia – Uma combinação de timbres que custa a assimilar. São pouco consensuais as opiniões acerca da canção da Macedónia. O seu resultado é uma incógnita.
  • Azerbaijão – Um país que aposta sempre forte no festival. É a primeira vez que o Azerbaijão envia um homem a solo para representar o país. Os ensaios foram interessantes e gostei de ver a performance, a coreografia, o homem a imitar uma sombra do Farid. Contudo, às vezes parece que o Farid está apaixonado pelo bailarino. Não terá sido melhor pensado se fosse uma bailarina?
  • Malta – É uma canção simpática e bem-disposta, que precisa de cor e luzes que dê vida à actuação. Contudo, acho que este ano a Malta terá sérias dificuldades em classificar-se à final.
  • Bulgária – E está de volta a dupla que já é conhecida pelo público eurovisivo, por ter concedido à Bulgária um 5º lugar no ESC2007, com Water. Contudo, desta vez, Samo Shampioni é uma confusão de uma ponta à outra, o que não é nada bom para quem ouve as músicas pela primeira vez. Mais uma vez, Bulgária, ficarás pela semi-final.
  • Islândia – Uma balada tipicamente islandesa, com uma voz bastante doce e quente. Poderá ter chances de se classificar, caso o júri apoie o suficiente (o que eu acredito).
  • Grécia – Uma aposta diferente e arriscada vinda da Grécia. Eu gosto, é um guilty pleasure para mim. Os sons gregos encaixam bastante bem na composição. É pena é o velhote não ter a mesma pedalada que o grupo que o acompanha.
  • Israel – É uma balada lindíssima, cantada na língua nacional. É pena o vestido não assentar nada bem na intérprete. Moran defende a sua música com muita emoção. Uns bons planos de câmara farão milagres. Acredito que Israel integrará o elenco dos 10 finalistas desta semi-final.
  • Arménia – A canção não me transmite nada de bom, considero ser uma composição de pouca qualidade, para ser politicamente correcto. Mas o vocalista dos Dorian parece ter aparado as sobrancelhas, menos mal.
  • Hungria – Uma canção fofinha, que derrete os corações mais sensíveis. A Hungria foi esperta em escolher o videoclip da canção como plano de fundo na actuação. Poderá ser um dos black horses desta edição, embora eu não aprecie muito o estilo. Acho que o rapaz sussurra do início ao fim, e o seu visual não é do mais convidativo.
  • Noruega – e aqui temos uma candidata a vencedora desta edição de 2013. Uma canção electro muito bem produzida, que quebra com os standards pela sua irreverência. Eu gosto da forma como o instrumental, negro e pesado, conjuga tão bem com a voz suave da Margaret, e a sua imagem de anjo e, ao mesmo tempo, de uma b*tch. Simplesmente adoro. Passa confortavelmente à final.
  • Albânia – Mais uma proposta amadora, para fazer par com Arménia. Ficará igualmente pela semi-final.
  • Geórgia – A Geórgia a seguir os passos do seu vizinho Azerbaijão. Pelo ensaio, isto vai ser uma cópia fiel à actuação de ‘Running Scared’, canção azeri de 2011. O efeito de chuva, a falsa química do casal, o inglês péssimo. Querem mais? Ainda assim, a juntar ao facto de ser produzido por um dos compositores mais conceituados do mundo eurovisivo, passará destacadamente para a final.
  • Suíça – o destino dos Heilsarmee (ups, Takasa) não será muito feliz. Já não bastava estarem associados ao nazismo alemão, ainda lhes servem de bandeja um fundo muito escuro, pouco apropriado a uma canção destas. Eu gosto da música, mas acho que ficará esquecida.
  • Roménia – E chegámos, por fim, ao último concorrente na fileira, com uma proposta muito sui generis. É uma proposta arriscada, e ou se gosta, ou se odeia. Eu integro o grupo que gosta de facto, desta canção. A roupa que Cezar trás vestida é deveras azeiteira. O uso de pirotecnia foi uma manobra perspicaz.

Depois de analisadas uma a uma as canções, as minhas prospectivas:

Passam, de certeza: Noruega, Azerbaijão, Geórgia, Israel e Islândia.

Em dúvida: São Marino, Hungria, Roménia, Finlândia e Grécia.

Não passam: Letónia, Macedónia, Malta, Bulgária, Arménia, Albânia e Suíça.

  • Quem está em Portugal e quer assistir em directo pode sintonizar o canal BNT ou TVRi na ZON e/ou Meo dia 16 pelas 20h ou vêr no computador no stream oficial do ESC, no site da Eurovisão. A RTP1 vai emitir a semifinal em diferido pelas 22h45.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close