Diretor da CMTV analisa a concorrência… e arrasa TVI24

Octávio Ribeiro

Octávio Ribeiro, diretor da CMTV

Prestes a completar 4 anos de emissões, a CMTV é um dos canais mais vistos da televisão por cabo em Portugal.

Octávio Ribeiro, diretor da estação da Cofina faz um balanço positivo destes anos de existência e analisa a concorrência mais direta.

A CMTV assume-se como uma generalista de informação e vê na SIC Notícias, TVI24 e RTP1 as suas grandes rivais em termos de disputa de público.

Para o responsável, o canal é um canal de informação com entretenimento. «Quando a informação não se impõe ao entretenimento. E a TVI 24 é o quê? É a Sport TVI? É porque a TVI 24 só se aproxima de nós em audiências quando dá um jogo de hóquei em patins, seguido de um jogo de futsal, seguido de um jogo de futebol feminino. E isso é o quê? É informação? Deixo esta pergunta, com todo o respeito. Acho que há uma certa esquizofrenia, principalmente do lado da TVI 24. A SIC Notícias tem mantido mais a coerência, mas também tem momentos de enlatados, que são vagamente informativos. Portanto, cada um tem a sua proposta. A nossa foi absolutamente original e gerou reações na concorrência, algumas de grande qualidade», analisa o diretor na TV7 Dias.

O gestor da CMTV comentou o facto de José Gomes Ferreira, da SIC, ter dito que a CMTV os obrigou a  a estar mais atentos: «O José Gomes Ferreira é um extraordinário jornalista que eu gostava que estivesse no nosso projeto. A reação que gerámos na SIC Notícias foi muito saudável, mas a reação que gerámos na TVI 24 foi preocupante, por ser acéfala. Uma incapacidade de criar alguma coisa de novo. O que a TVI24 fez foi: aqui imito, aqui meto dinheiro sobre o problema».

Na análise à concorrência, a opinião acerta da TVI24 é a mais dura: «A TVI24 está à deriva. Tão depressa está a dar o futsal no Fundão como um debate de políticos sobre a colonização de Marte. Há uma grande ignorância na liderança da informação da TVI».

Quanto à RTP3 e na opinião de Octávio Ribeiro, a situação é diferente: «A informação da RTP está a passar por uma fase muito saudável, de independência, e que obviamente tem a ver com a personalidade do líder da direção, o Paulo Dentinho, e certamente dos outros líderes da direção. Portanto, a RTP 3 manteve um rumo que me parece que é o rumo certo para um canal que tem de servir o público no sentido de serviço público». E continua: «O serviço público, para ser bem desempenhado, bastava-lhe um canal em Portugal, um para África, com desígnios claramente na área da diplomacia, e um canal para a diáspora. Chegava e sobrava Agora, face a esta chuva de canais, que foi sendo criada pela incompetência de vários governos e administrações, o que se está a passar na informação da RTP é muito meritório e tem muita qualidade. Se a RTP não for um farol de resistência a determinadas tendências populistas a que as privadas não podem resistir, se a RTP não for esse travão, então existe para quê?»

As críticas à TVI não vêm de agora. O jornalista esteve vários anos em Queluz de Baixo e conhece bem os cantos à casa. Há um ano, numa outra entrevista, também foi muito crítico em relação à TVI. «Essa entrevista [há um ano] surgiu num contexto de resposta a algumas afirmações quase insultuosas, que vieram do lado de um responsável da TVI. Acho que o clima não está tão crispado, mas não vejo razão nenhuma para tirar uma vírgula ao que disse há um ano», terminou à TV7 Dias.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close