“Duarte e Companhia” pode ganhar, em breve, um ‘remake’ na RTP1

“Duarte e Companhia” pode ganhar, em breve, um ‘remake’

Tal como o Zapping noticiou há 6 meses, é forte a possibilidade de “Duarte e Companhia”, uma das mais míticas séries dos anos de 1980 voltar à RTP sob a forma de remake.

O diretor de programas da RTP garantiu à Notícias TV que a ideia está a ser pensada «com carinho» e adiantou que o remake pode arrancar já este ano ou em 2014. Hugo Andrade justifica que esta é uma tendência muito forte em todo o mundo por causa da «nostalgia».

O célebre Citroën vermelho dois cavalos que percorreu a RTP1 no final da década de 1980 está prestes a regressar, mas com um toque mais moderno. Hugo Andrade diz que o canal está empenhado em trazer de volta a série “Duarte e Companhia”, que foi um marco na televisão portuguesa. «É uma série que deixou boas recordações e vale a pena voltar a fazê-la, mas de forma atual. Todos nós, de vez em quando, voltamos a ver uma série que víamos há 20 anos e pensamos: “Eh pá, como é que fui gostar disto?” Portanto, não pode ser uma repetição daquilo que foi feito, tem de ser uma série pensada para 2013 ou 2014 e temos perspetivas de que isso aconteça», revelou o responsável à revista do DN e JN.

Hugo Andrade salientou ainda que as aventuras de Duarte (Rui Mendes), Tó (António Assunção), Lúcifer (Guilherme Filipe) e Átila (Luís Vicente) já não faziam muito sentido nos dias de hoje, pelo que a história teria de ser reescrita para se ajustar aos novos tempos. «Estamos a acompanhar esta ideia com carinho porque foi uma série que marcou muito aquela época, mas vista hoje é quase ridícula. Olhamos para aquilo e, hoje, não faz muito sentido. Mas na época fez porque acho que foi a primeira vez que vi uma coisa nonsense feita na televisão portuguesa. É preciso perceber que os tempos são diferentes e que as coisas hoje se fazem de outra maneira», explica.

Desde o Brasil aos Estados Unidos, a tendência do remake instalou-se. Nos Estados Unidos da América voltaram séries como “V”, “Charlie’s Angels”, “Hawaii five-0”, “Beverly Hills 902010” ou “Dallas”. No Brasil terminou na passada sexta-feira a adaptação aos dias de hoje de “Guerra dos Sexos”. Também títulos como “Cabocla”, “Sinhá Moça”, “Escrava Isaura” ou “Ti Ti Ti” já tiveram uma segunda versão. Mas a mais mediática será, no entanto, “Gabriela”, a novela que fez furor em Portugal na década de 1970 e até janeiro deste ano.

Hugo Andrade sabe que esta é uma tendência muito apetecível por causa do sentimento saudosista que invade os espectadores. «Esta tem sido uma tendência muito forte em todo o mundo por causa da nostalgia. De facto, as pessoas gostam de recordar e há períodos muito ricos. Na música, os anos 80 foram muito marcantes, mas, na televisão, em Portugal, os anos 90 foram riquíssimos», disse.

Também Rui Mendes já falou do assunto. Há meio ano o ator que pode ser visto em “Mundo ao Contrário” afirmou que já ouviu falar da possibilidade do remake, «mas até ao momento não foi confirmado».

Para aceitar este desafio, Rui Mendes disse que «tinha de conhecer melhor o projeto. Foi em 1985, há 27 anos [28, agora]. O que se fez no passado, está feito e pode até ficar esquecido. Houve uma altura em que ouvi dizer que a série estava condenada a ser desgravada. Voltar a fazer projetos é sempre uma hipótese. Faz-se muito no cinema [remakes], mas nunca com o mesmo sucesso».

Relembre-se que a RTP tentou, em 1993 reeditar o sucesso. Não se tratou de um remake, mas sim de um produto de ficção muito parecido, nos mesmos moldes e com grande parte do elenco. Mas “Bando dos Quatro” depressa caiu no esquecimento.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close