[Edição 7] “Mira Técnica”: Sem Palavras

Por Paulo Andrade

Frequentemente somos confrontados com decisões incompreensíveis dos responsáveis dos canais nacionais. Procuramos na lógica e na razão uma explicação para tal mas não encontramos. E infelizmente a imprensa especializada raramente questiona estas decisões deixando-nos sem qualquer tipo de resposta. Esta tolerância ao erro não existe noutras áreas de actividade!

Este ano ainda agora começou mas a lista já vai longa. O caso mais recente foi a substituição de “Doce Tentação” por “Equador” na TVI. Eu já dou de barato a falta de planeamento existente actualmente na TVI, mas o modo como conduziram a estreia de “Equador” é verdadeiramente alarmante e preocupante, pois revela que este director de programas não é melhor que o seu antecessor, estando a cometer os mesmos erros.

Um novo produto representa por si só um enorme risco devendo tomar-se todo o tipo de cuidados. Mesmo uma repetição necessita de ser promovida, ainda por cima quando vai para um horário atípico e competitivo como aconteceu com “Equador”.

Como se isto não fosse suficiente resolveram fazer a pior gestão possível da sua exibição em antena. Como é possível exibir um episódio à meia-noite e outro à uma da manhã? Por acaso na TVI não sabem que o consumo televisivo cai para metade de um horário para o outro? Como é que um produto que exige fidelização pode ser apresentado desta forma? O que me leva a concluir que esta reposição nunca teve como objectivo conseguir um bom desempenho mas apenas tapar um buraco na programação.

Como é que foi possível fazer esta opção, sujeitando uma série que foi um marco e um motivo de orgulho na ficção da estação a tamanha humilhação? Como é possível pôr em risco a imagem do canal com mais uma reposição se esta não tem qualquer função de maior na programação? Como é que não optaram por uma série estrangeira que faria os mesmos resultados mas sem todos estes reflexos negativos? Como se isto tudo já não fosse mau o suficiente, depois de “Equador” virá mais um “tapa-buracos” pois a este ritmo a telenovela “Mundo ao Contrário” não estará pronta a tempo.

Esta situação lembra-me o que aconteceu na RTP1 aquando da substituição de “Vidas em Jogo” em Janeiro. Continuo por perceber o recuo na estreia de “Éramos Seis” como previsto e anunciado na altura e sua substituição pela reposição de “Velhos Amigos”, para que um mês depois fosse feito o inevitável. Será que valeu a pena esta manobra de diversão? Eu acho que todos nós sabemos a resposta a esta pergunta. Um caso lamentável e perfeitamente evitável!

O que dizer da mudança da estrutura de programação de horário nobre da RTP1 um mês depois da sua estreia? Depois da apresentação à imprensa que fizeram da “nova” programação e de revelarem que esta foi o resultado de um ano de trabalho, como é que tudo pode cair por terra para colocar no ar um programa -Anticrise- que já se sabia de antemão que regressaria? Só confirmou o que eu sempre disse nesta nova RTP1, que de nova não tinha nada e que a estruturação de horários apresentada iria durar pouco tempo.

O que dizer do anúncio da nova telenovela portuguesa da RTP1? Como é que a RTP1 vai apostar num produto deste tipo e supostamente para um horário sem importância como o das 14 horas quando têm tantos horários mais importantes por resolver? Depois vêm com a conversa do costume que o orçamento não chega, esquecendo-se que gastaram parte deste onde e com o que menos interessava! Eu estou a imaginar que seja para as 14 horas, pois pensar noutro horário é completamente surreal e inconcebível num panorama televisivo como o nosso!

O que dizer das constantes flutuações de horários dos programas do primetime da SIC e TVI? Como é que os mesmos programas não são exibidos sempre à mesma hora? Só um público menos exigente e também menos interessante para os anunciantes tolera este desrespeito, pois todos os outros acabam mais tarde ou mais cedo por mudar-se para o Cabo ou outras plataformas.

O que dizer do número de telenovelas em repetição na SIC e TVI entre as 14h45 e a 00h45?

O que será melhor: encher a grelha de repetições ou colocar outro tipo de produtos? Por exemplo, a SIC e TVI ao invés de investirem numa telenovela em repetição à meia-noite porque não investiram nas séries estrangeiras? No caso da SIC um episódio de uma telenovela brasileira em repetição é mais caro do que um episódio inédito de uma série, sem contar que cada série permite duas ou três repetições com algum sucesso, não acontecendo o mesmo com as telenovelas. E sem esta medida a SIC tinha tido maior margem para investir em horários mais importantes para a melhoria da performance diária da estação, deste modo comprometeu as aspirações à liderança das audiências. Enquanto “Páginas da Vida” não faz grande diferença à meia-noite e ficou evidente esta semana que não consegue tirar partido da fragilidade da TVI no horário, pois sendo uma repetição tem as suas limitações, os horários das 14 horas e especialmente o das 18 horas continuam à espera e onde realmente um bom produto poderia fazer toda a diferença. Em relação à SIC só com o fim de “Fina Estampa” será perceptível a dimensão do prejuízo no prime access.

O que dizer das apostas da SIC em “O Formigueiro” e “Sábado à Luta” para os sábados – o dia mais problemático da estação – para agora um ter sido cancelado e o outro empurrado para o latenight à espera do mesmo fim. Será que o dinheiro investido nestes dois programas não seria suficiente para em vez de terem apostado na repetição de “Páginas da Vida” apostarem numa telenovela inédita?

O que dizer da TVI… Quando é que vão perceber que se não podem manter uma grelha só com ficção nacional terão que procurar parceiros no mundo lusófono, por exemplo, no Brasil (SBT e RECORD). Eu sei que esta opção pode gerar muita confusão e incompreensão, mas na situação actual faz todo o sentido. Não faz sentido é ter três telenovelas em repetição diariamente e ter um canal no Cabo para repetição de ficção, o TVI Ficção.

O que dizer da cópia constante de soluções e opções entre os três canais generalistas? Será que não conseguem perceber que a melhor forma de ganhar é fazendo a diferença?

Esta semana finalmente entraram em vigor os ajustes no painel de audiências levando a uma subida dos canais temáticos e a uma descida da SIC e TVI. O último ano não passou de uma ilusão para estes dois canais!

Os canais temáticos viram repostos os valores que obtinham com a Marktest, um ‘murro no estômago’ para os responsáveis dos canais privados!

Enquanto os canais generalistas não mudarem de atitude continuarão a perder quota de mercado, implicando uma redução do seu espaço de manobra, restringindo cada vez mais as opções ao seu dispor, que levará a uma cada vez maior deterioração da sua oferta e consequentemente das audiências e capacidade de obter receitas.

É preciso que de uma vez por todas compreendam que em televisão é o espectador quem mais ordena!

Este será o tema da minha próxima crónica.

Fiquem em boa companhia.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

  • miguel

    Concordo inteiramente com a vossa opinião. No caso da SIC, canal que mais vejo… acho que a programação num todo é desinteressante. eu como fã de novelas e séries, vejo apenas Cheias de Charme, Avenida Brasil e Mentes Criminosas… acho contudo um insulto a mim, enquanto espectador, ver uma reposição às 23h30 ou 23h50 (na era actual).

    Por mim, a SIC poderia ter investido doutra forma, mais prudente e assegurar um horário diferente, optando por uma novela original às 18h00.

    Ficando ordenada a programação:

    18h00: Cordel Encantado
    19h00: Cheias de Charme
    20h00: Jornal da Noite
    21h30: Dancin Days
    22h35: Avenida Brasil (transmissão dos episódios originais)
    23h50: Mentes Criminosas
    00h35: Gossip Girl
    01h20: Americas Next Top Model

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close