‘ESC2014′ – A Critica: Fique a conhecer as canções da segunda semifinal [Parte I]


Continuamos a a avaliar as músicas concorrentes à vitória do Festival Eurovisão da Canção 2014 e nesta edição iniciámos a crítica às canções da 2ª semifinal, que se realiza a 8 de Maio, em Copenhaga.

Malta
Firelight – “Coming Home”

Música agradável, boa onda e despretenciosa. Ouve-se bem, mas nada mais do que isso. Deve conseguir passar à final, mas não deve repetir o bom resultado de 2013.
Pontuação: 12/20

Helena Gilberto (HG)

Uma composição folk de qualidade e uma proposta fresca para o ESC. Tem um mix de sonoridades bastante distintas que me agrada. O grupo irá apresentar em Copenhaga um bom espectáculo e performance, estou seguro. Acho que é das melhores músicas que a Malta apresentou nos últimos anos. Força e energia são alguns dos ingredientes apresentados pelos Mumford & Suns do Mediterrâneo.
Pontuação: 14/20

Tiago Vale (TV)

***
Israel
Mei Finegold – “Same Heart”

Talvez um pouco sobrevalorizada por alguns fãs. A música é forte e a Mei tem uma boa voz, mas não é nada de extraordinário. Penso que a música ganharia ainda mais força se fosse completamente cantada em hebraico. Por actuar tão cedo, corre o risco de ficar algo esquecida. Mas Israel tem hipóteses de passar à final.
Pontuação: 14/20
HG

Israel é um dos meus países favoritos do ESC, e este ano voltou a não desapontar. “Same Heart” é um tema electro-pop bastante bem construído, que ganha imenso poder com o vozeirão da intérprete. Gosto imenso da conjugação do hebraico com o inglês, ainda mais pelo facto da língua materna encontrar-se nas partes mais calmas, sobressaindo-se por esse motivo. Espero que apresentem a coreografia do videoclip, pois está bastante bem pensada. Se passar à final, é com todo o mérito.
Pontuação: 18/20
TV

***
Norway
Carl Espen – “Silent Storm”

Uma balada linda e tocante numa óptima voz. O instrumental está também próximo do magnífico. Enfim, considero-a uma das melhores do ano, e certamente não passará despercebida.
Pontuação: 17/20
HG

Noruega regressa às baladas, e que bem. Excelente instrumental, bastante demarcado pelo piano, que transmite uma melodia intensa e acompanha todo o poema. A voz do intérprete, embora com algumas falhas a corrigir, tem um timbre que aprecio. Sentimento e profundidade são algumas das palavras que encaixam muito bem para descrever a letra. É, no seu conjunto, um tema bastante competente, e arrisco mesmo a dizer que é uma das melhores baladas do ano, a par com o Azerbaijão.
Pontuação: 17/20
TV

***
Geórgia
The Shin & Mariko – “Three Minutes to Earth”

Música estranha, sem ponta por onde se pegue. Não sei bem onde pensam chegar com isto. O único ponto positivo é ser original.
Pontuação: 07/20
HG

Nada desta música parece fazer sentido. Parece que fizeram tudo em cima do joelho. O único ponto de positivo é a voz da mulher, que mesmo assim pode ser deveras irritante em algumas partes da música. Foi uma queda brutal em termos de qualidade relativamente ao ano passado.
Pontuação: 04/20
TV

***
Polónia
Donatan & Cleo – “My Słowianie – We Are Slavic”


O país regressa ao festival depois de uma ausência de 2 anos, apresentando um tema bastante tradicional. Aqueles segundos de instrumental não-cantado com sons polacos são deliciosos. Adoro o ritmo vibrante e louco do instrumental, apesar de reconhecer que não é uma composição inteiramente bem-feita. Mas é super contagiante, e não consigo parar de ouvir. Mas infelizmente receio que fique pela semifinal.
Pontuação: 16/20
TV

***
Áustria
Conchita Wurst – “Rise Like a Phoenix”

Tem qualidade e a Conchita porta-se bem vocalmente. Mas, pelo menos falando por mim, é um pouco difícil levar esta proposta a sério, tendo em conta a letra e o físico do intérprete. Uma coisa é certa, publicidade não lhe faltou.
Pontuação: 10/20
HG

A polémica Conchita Wurst finalmente conseguiu o seu sonho de ir ao festival, depois de ter ficado em 2º lugar na final nacional de 2012. A verdade é que o tema ganha vivacidade e interessE apenas e só pelo intérprete. Ainda assim, não tiro o mérito, e acho que temos aqui uma composição com qualidade, a fazer lembrar os filmes do 007. Acho que terá a sua qualificação à final complicada, dado a controvérsia da “mulher barbuda”, mas podemos esperar um momento diva no ESC.
Pontuação: 15/20
TV

***
Lituânia
Vilija Matačiūnaitė – “Attention”

Mais uma música estranha. É bem interpretada, mas é confusa e não dá vontade de ouvir novamente.
Pontuação: 08/20
HG

Atenção, tapem os vossos ouvidos! Sempre que oiço as notas mais altas, rezo aos santinhos. A Vilija desafina imenso, e para ajudar, a música não é nada de especial. Destaca-se o refrão, que possui alguns versos orelhudos. Contudo, no geral, é uma música bastante fraca. A performance em palco apresentada na final nacional é confusa e com vários elementos distractivos que não vão ajudar a quem a visualizar pela primeira vez.
Pontuação: 08/20
TV

***
Finlândia
Softengine – “Something Better”

Diferente de todas as outras, muito boa dentro do seu estilo, comercial e catchy. Penso que tem todos os ingredientes para conseguir o melhor resultado para a Finlândia desde sei lá quando.
Pontuação: 18/20
HG

Um tema pop-rock bastante sólido e comercial. Finlândia finalmente aposta em algo com qualidade suficiente que lhe garanta uma boa posição. É uma música enérgica e com uma mensagem positiva. Gosto moderadamente. Deverá passar confortavelmente à final, mas ficará a meio da tabela.
Pontuação: 14/20
TV

***

Na próxima semana, que será a penúltima para esta edição, iremos terminar de avaliar as músicas desta 2ª semifinal.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close