“Esplendores do Episcopado”, esta noite no ‘Perdidos e Achados’ da SIC

Esplendores do Episcopado

“Esplendores do Episcopado” é o tema do ‘Perdidos e Achados’ da SIC. A reportagem de Joaquim Franco vai para o ar esta noite no “Jornal da Noite”

Em 1953, há uma oposição que se apresenta a eleições, mas a União Nacional garante a hegemonia. Salazar comemora 25 anos de chegada ao poder.

Movimentos de ação católica começam a politizar-se e desenham uma ação social perante uma hierarquia maioritariamente comprometida com a situação. É uma sociedade estratificada e conservadora. Há perseguições. Os jornalistas enfrentam a censura. São tempos agitados no Alentejo, sobretudo mais a sul, com pobreza e greves que mobilizam milhares de trabalhadores a pedir aumento do salário.

Reconciliada com o Estado, a Igreja recuperar aos poucos o património confiscado na primeira república, a economia está a crescer e o país inaugura equipamentos públicos. O ensino primário é já obrigatório. Têm influência as fortunas familiares. Começa a acentuar-se a emigração e o êxodo para o litoral.

Vindo das missões, Agostinho de Moura é feito bispo e nomeado para Portalegre. Um filme realizado por profissionais que viriam a estar associados à fundação da RTP, regista a entrada do prelado na diocese, em cortejo, a 10 de maio, desde a barragem de Castelo de Bode, inaugurada dois anos antes, ainda no distrito de Santarém, até à cidade episcopal de Portalegre. 60 anos depois, recuperam-se memórias.

A SIC fez o mesmo percurso do bispo e encontrou uma diocese vítima do êxodo rural e do abandono por parte do poder central. Pelo caminho, em Martinchel, Abrantes, Tolosa, Alpalhão… muita gente reconhece-se num filme que nunca tinha visto. O envelhecimento no Alentejo há muito fez soar o alarme. Há dois idosos por cada habitante em idade ativa. Há 60 anos havia um idoso por cada três pessoas em idade ativa.

Os campos ocupavam 44% do Portugal ativo, o governo imaginava uma colonização interna, lançava um plano de fomento e ninguém podia prever em Portalegre o holocausto a que seria sujeita a agricultura e a indústria. Faltou a modernização. A Robinson, fábrica emblemática da cortiça, empregava largas centenas de pessoas. Faz hoje parte da arqueologia industrial do Alentejo, reflexo de uma terra em agonia. A diocese de Portalegre/Castelo Branco, que abrange os distritos de Portalegre, Castelo-Branco e parte de Santarém, terá perdido 1/3 da população.

D. Agostinho de Moura ganhou fama de empreendedor. Sucedeu a António Ferreira Gomes, nomeado bispo do Porto, que seria exilado em choque frontal com Salazar. Uma diocese, dois homens, duas atitudes. Perdidos e Achados faz uma ponte de 60 anos em Portugal,  a partir de um filme esquecido, e agora recuperado, nos arquivos da história audiovisual…

“Esplendores do Episcopado”, uma reportagem de Joaquim Franco, com imagem de Hugo Neves e edição de Andrés Gutierrez. Para ver esta noite no ‘Perdidos e Achados’ do “Jornal da Noite”.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close