[Estreia] “Formatos em Cima da Mesa”, a nova rubrica do Zapping

A vida é feita de transições. E transições significam que ainda há vida. Neste caso, é a vida de uma rubrica que está em causa. E a sua adaptação para um outro local não poderia fazer mais sentido.

‘Formatos em cima da mesa’ não desapareceu, mas tem casa nova. Com o mesmo autor, as mesmas regras, os mesmos princípios e a mesma vontade, esta rubrica está de regresso com cara lavada para mais uma edição mensal, não só por respeito aos leitores que já seguiam este espaço num outro projeto passado, mas também pela satisfação pessoal que me é dada ao publicar, todos os meses, cada edição.

 

Partindo do princípio, de que se trata então esta primeira rubrica do Zapping?

A pensar nos apaixonados pela televisão e pelos curiosos sobre que projetos diferentes se fazem lá fora, ‘Formatos em cima da mesa’ viaja à volta do mundo para saborear novos sabores em televisão. Isto é, todos os meses, iremos conhecer vários programas de televisão estrangeiros que reúnam todas as condições para serem uma lufada de ar fresco na televisão portuguesa. O autor da rúbrica torna-se num autêntico diretor de programas, que, à procura de formatos para adaptar para a televisão nacional, irá procurar sobretudo novidades, originalidade e sucessos, e escolher também outros apontamentos necessários ao programa, como a quem irá caber a adaptação do formato. O nome não poderia fazer mais sentido: iremos de facto colocar formatos em cima da mesa e falar sobre eles.

Durante as 8 edições já publicadas na história desta rubrica, fomos até à Austrália, passámos pela América e ficámos bem perto de Portugal, em Espanha, onde descobrimos formatos que foram sugeridos para qualquer canal generalista à nossa disposição e com o mais variado leque de apresentadores.

Para esta estreia no Zapping, falaremos daquele que é um dos programas-revelação do catálogo deste ano da Endemol, programa esse que se encontra ao lado da versão original de “A Tua Cara não me é Estranha” (que alcançou rapidamente um grande sucesso à escala mundial) como um hightlight. Foi produzido apenas na Alemanha e passo agora a apresentá-lo:

 The Brain

O formato talent show está condenado mundialmente a cantorias e a danças. Embora existam excepções, este género de programa vai sempre, numa esmagadora maioria, de encontro à busca de jovens talentos que saibam apenas cantar ou dançar. No entanto, na Alemanha, desta vez, a decisão foi a exploração do talento… da inteligência.

Em “The Brain” pessoas com um Q.I. bem acima da média serão postos à prova das mais variadas maneiras para darem um show pelas suas capacidades mentais.

«Em cada emissão, o apresentador do formato convida oito pessoas excepcionais de todo o país que possuam extraordinárias habilidades mentais. Os participantes realizam extraordinários desafios que são impossíveis para o ser humano médio, como memorizar os nomes e aniversários de mais de 900 crianças ou determinar a velocidade exata de um carro de corrida que passa sem o uso de uma arma laser. Os candidatos que concluírem com êxito o seu desafio mental pessoal, passam para a rodada final e habilitam-se a se classificar para a votação do final do programa. Os espectadores decidem, finalmente, qual é a pessoa mais inteligente no país e o vencedor leva para casa o título e um prémio em dinheiro.»

Os concorrentes conseguem arrepiar e deixar bem impressionado o público. Por exemplo, Dave, um rapaz cego desde criança, no ano passado, com 16 anos, participou no programa alemão e conseguiu descobrir quase tudo, apenas pelo cheiro e outras sensações quais os objetos o apresentador colocava à sua frente, tendo adivinhado que, mesmo em frente aos seus olhos que não veem, estava uma poltrona de palhinha e uma bicicleta, por exemplo.

Versão Portuguesa

Com o título de ‘Mentes Brilhantes’, esta seria uma óptima aposta para os Domingos à noite da SIC, para fugir às habituais apostas de talent shows virados para a música e a dança, tal como se pode ver em programas como “Portugal Tem Talento”, “Ídolos” ou “Toca a Mexer”. Este formato de entretenimento enquadra-se bem na estação de Carnaxide, e, quanto à apresentação, a melhor aposta seria talvez numa dupla: Pedro Granger e Ana Rita Clara, cuja transição para a SIC generalista já é ansiada por muitos, dado as suas qualidades como comunicadora.

Regressamos no próximo mês, já em 2013!

 

Autoria: Ruben Martins

Pode comentar esta rubrica nesta página ou no fórum Zapping.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close