Goucha mostra-se orgulhoso com o “MasterChef Portugal”


Estreou esta noite o novo “MasterChef Portugal”, apresentado por Manuel Luís Goucha. Após o primeiro episódio, o apresentador revelou no seu blog, o quão orgulhoso está em participar neste projeto da TVI:

Uso dizer que entrei na televisão pela porta da cozinha. E assim foi com programas meus, como “Gostosuras e Travessuras” e “Sebastião come tudo”, onde as receitas eram pretexto para fazermos a festa com estórias e canções.

Depois andei por “Portugal de faca de garfo”, à procura do receituário tradicional que marca as diferenças entre regiões, por isso rico e variado. Fiz ainda crítica gastronómica no “O Jornal” de boa memória e editei vários livros de receitas.

Estava longe, porém, de imaginar que, muitos anos depois, seria convidado a integrar o júri do programa Masterchef, a maior competição televisiva onde a cozinha é o ingrediente principal. O palmarés do programa é qualquer de impressionante: foi produzido em 48 países e emitido em 126. Nesta edição portuguesa, são oitenta os elementos que integram a equipa de conteúdos, edição, produção e realização. Número a que não estaremos muito habituados, também por isso não será por falta de ovos (meios, engenho e dedicação) que não se fará esta omeleta.

Confesso o temor que senti perante o desafio, materializado em noites mal dormidas e crises de ansiedade. Teria de encontrar um registo diferente de apresentação, que nada tivesse a ver com o das estouvadas manhãs ou o da noite, em programas de talentos, mas que não atraiçoasse o meu jeito de ser. Ele surgiu, como que naturalmente (acho que é a Vida a cuidar de mim) naquele palco no Terreiro do Paço, no “mega casting” de quinhentos candidatos e ao lado dos meus colegas jurados: chefs Rui Paula e Miguel Rocha Vieira. E acabaria por se cimentar nos dias seguintes, nas provas de selecção. Frontal, cuidadoso, terno, irónico… Tudo qb (quantidade que baste) será a minha receita para os próximos sábados.

Ao todo, foram quatro dias intensos, em que escutámos estórias de vida e anseios e em que provámos primeiro cinquenta e uma receitas (muitos “risottos” e outros tantos “maigrets”, convenhamos que alguns intragáveis), tantos os seleccionados no Terreiro do Paço, e depois mais trinta já na terceira e última fase de selecção, no Lx Factory.

Da segunda fase de selecção, guardo na memória a humildade e sensibilidade do Victor, trabalhador da construção civil, qualidades que, contudo, não foram suficientes para lhe garantir passagem para a etapa seguinte. Já o Pedro vindo, propositadamente, de Londres para o efeito irritou-nos pela arrogância da sua falação (atirou-nos, atabalhoadamente, com “Escoffier”, “flambée”, entre outros francesismos), como que a legitimar a mixórdia que nos apresentou. E as lágrimas da Eva, repetidas em desespero na terceira fase de selecção, quando, cedendo à pressão da prova com tempo contado, não conseguiu elaborar uma receita onde o pão fosse estrela maior.

Esse era, aliás, o desafio que decorreu no Lx Factory. Uma homenagem ao pão, um alimento tão do quotidiano e porém tão versátil. Claro que já se esperavam açordas e migas, mais ou menos perfumadas. Mas houve quem não mostrasse discernimento algum perante o desafio e mais não tivesse feito que uma sanduíche ou um prego no pão. E se nós esperávamos muito mais deles!
Claro que, a “puxar a brasa à minha sardinha”, estranhei a falta de sugestões mostradas ao nível da doçaria. Ficaram-se três ou quatro pelas rabanadas, fatias douradas ou fatias de parida, que é tudo a mesma coisa, e ninguém se lembrou de alguns verdadeiros expoentes da nossa doçaria conventual, como encharcadas, sopas douradas, pudins de pão e até mesmo formigos. Veremos que lambarices serão preparadas nesta competição. Ainda a procissão não saiu do adro!

Ontem no restaurante DOC, do chef Rui Paula, em Armamar, com o Douro aos pés, reunimo-nos todos para ver o primeiro programa, este que haveis visto há minutos, enquanto saboreávamos uma ementa do chef, preparada para a ocasião.

Pela primeira vez, o orgulho que sinto em fazer parte de uma equipa e de um produto suplanta a vontade em querer liderar audiências. Que trabalho magnífico de conteúdos, produção, de realização e de edição. É esta ultima que, através de doze profissionais, condensa mais de quinze horas de gravação em noventa minutos de emissão, como quem tece uma trama. Parabéns a todos e à TVI por ter acreditado na excelência do projecto e de quantos nele se envolveram. Espero que você sinta idêntico empolgamento enquanto espectador, mas o meu já ninguém mo tira.

P’rá semana há mais, na TVI e aqui.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close