Jornal de Angola ataca violentamente a informação da TVI

Informação TVI Agustina Bessa-Luís

O Jornal de Angola volta a ser notícia por cá. Depois de criticar o Estado português, no geral, e de causar um momento desconfortável na diplomacia entre Portugal e Angola, a publicação voltou a criticar uma empresa portuguesa, no caso, a TVI.

Mais uma vez sob o manto de um artigo de opinião, o diário angolano publicou ontem a crónica “Fuga dos Escriturários”. No texto o matutino acusa os jornalistas portugueses de analfabetismo e tece críticas pessoais a José Alberto Carvalho e a Judite Sousa, a quem chama de «segunda dama de Seara».

Citado pelo Correio da Manhã, o artigo de opinião refere que «TVI apresentou num dos seus noticiários o Jornal de Angola como ‘a voz oficial do regime angolano’». A crónica reage e diz que «a TVI é a voz oficial da dona Rosita [Rosa Cullell, administradora delegada da Media Capital, dona da TVI] dos espanhóis (…) Ou a voz do conde Pais do Amaral [presidente do conselho de administração da Media Capital]».

As duras palavras não ficam por aqui. O texto, não assinado na sua versão online, é ainda referido que «A TVI é a voz oficial de José Alberto Carvalho, que a jornalista Manuela Moura Guedes tratou por Zé Beto e apodou de burro». Sobre Judite Sousa a crítica cresce de tom «o canal de televisão é a voz oficial da segunda dama de Seara, inesperadamente apeada de primeira dama de Sintra».

Ao Correio da Manhã, o diretor de Informação da TVI, Joáe Alberto Carvalho, reagiu garantindo que tem «o maior respeito pela liberdade de expressão» e que esta é «sempre bem-vinda». Judite Sousa, diretora-adjunta, referiu «não ter lido a crónica» e, como tal, não teceu comentários.

Na crónica pode ainda ler-se que «se o jornalismo português não estivesse atolado em fretes, se não fosse servido por analfabetos de pai e de mãe, provavelmente hoje Portugal não estava destruído pela troika».

A terminar, o artigo sugere que «era bom que os nossos parceiros da CPLP [Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa] olhassem para nós como somos e não através de lunetas desfocadas e com juízes pré concebidos».

Pode consultar o artigo na íntegra, clicando aqui.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close