Luís Filipe Vieira em entrevista hoje, no “Jornal da Noite”

Luís Filipe Vieira é hoje entrevistado no “Jornal da Noite”

O presidente do Benfica e candidato à reeleição vai estar esta noite para uma entrevista no “Jornal da Noite”.

A dois dias das eleições no clube da Luz e com o surgimento de um candidato (Rui Rangel), esta é a última entrevista do ainda presidente dos encarnados a uma estação generalista.

Clara de Sousa é a jornalista destacada para a entrevista a Luís Filipe Vieira. Esta noite, às 20H, dentro do “Jornal da Noite”.

 

PERFIL:

Luís Filipe Vieira, de 63 anos, entrou no clube encarnado como dirigente em 2001,  mas foi apenas em 2003 que chegou à presidência, na qual permanece há nove  anos, o que faz dele, a par de Bento Mântua (1917/1926), o presidente em  funções durante mais tempo.

Em nove anos de Benfica, Vieira está ligado a alguns sucessos, mas sobretudo  à ideia de ter reanimado o clube, devolvendo-lhe credibilidade, após um  período muito negro, não só no plano desportivo, mas também financeiro.

Em três mandatos, com eleições em 2003, 2006 e 2009, conseguiu devolver  capacidade ao futebol, pese embora os argumentos de ser o dirigente que  mais investiu no futebol, com a conquista de duas Ligas, uma Taça, uma Supertaça  e quatro Taças da Liga.

Com o mesmo tempo global dos seus três antecessores, Manuel Damásio,  Vale e Azevedo e Manuel Vilarinho, Vieira teve o mérito de recuperar um  certo hábito de ganhar, o que foi praticamente uma miragem (um título e  uma taça) no período homólogo.

Para alguns isso foi pouco: Vieira continua longe das promessas de um  Benfica dominador no futebol português, em que a liderança continua a pertencer  ao FC Porto, com sete títulos nestes nove anos.

Também a marca do Benfica na Europa, onde o clube da Luz já foi um dos  maiores, readquiriu algum prestígio, sobretudo após o afundanço em meados  da década de 90, que lhe proporcionou o pior resultado europeu da sua história  (0-7 em Vigo).

Nas últimas três épocas, com Jorge Jesus como treinador, o Benfica esteve  sempre na Liga dos Campeões, e na última foi eliminado nos quartos-de-final  pelo campeão europeu Chelsea, repetindo a campanha de 2005/06, então derrotado  pelo FC Barcelona.

Este crescimento – com o expoente máximo no título de 2009/2010 – traduziu-se também na visibilidade de alguns ativos do clube, com a valorização e venda de futebolistas.

Di Maria (transferido por 35 milhões de euros) e Fábio Coentrão (30  ME), para o Real Madrid, Ramires (22 ME) e David Luiz (25 ME), para o Chelsea,  Javi Garcia (20 ME), para o Manchester City, e Axel Witsel (40 ME), para  o Zenit, foram alguns dos encaixes milionários da “era Vieira”.

Nas modalidades houve igualmente um renascer do clube em várias frentes,  mantendo o ecletismo inerente à sua história e o facto de ser o único dos  três grandes a competir no primeiro escalão das cinco principais modalidades  de pavilhão (andebol, hóquei em patins, basquetebol, voleibol e futsal).

Os encarnados voltaram a ser campeões no voleibol (2004/05), no andebol  (2007/08), no basquetebol (2008/09, 2009/10, 2011/12) e no hóquei em patins  (2011/12), mas também no atletismo (2011 e 2012), em que não conseguiam  ser campeões de masculinos desde 1996.

Na era de Vieira foi também promovida a ligação de alguma elite desportiva  ao clube, em especial através do projeto olímpico e que trouxe para o clube  nomes como Nélson Évora, Telma Monteiro ou Vanessa Fernandes, entre outros.

O atual presidente do Benfica tem ainda no seu percurso a responsabilidade  pela campanha de novos sócios (kit sócio), que fez crescer o número de filiados  e passar a ter o recorde de clube com mais adeptos pagantes no Mundo, a  expansão das casas de clube, a introdução do voto eletrónico e a construção  do Centro de estágios do Seixal.

Vieira não deixa, no entanto, de ser alvo de muitas críticas, sobretudo  no que às finanças diz respeito, com o seu adversário nas próximas eleições  a apontar para um passivo na ordem dos 426,1 milhões de euros.

Praticamente sem oposição, Vieira parte para um quarto mandato com mudanças  na estrutura diretiva, nomeadamente a entrada dos “vices” José Eduardo Moniz  e João Varandas Fernandes, que em anteriores atos eleitorais foram seus  críticos.

Sem concorrência forte, nas suas três idas às urnas, conseguiu ultrapassar  sempre os 90 por cento dos votos. Nas primeiras, com a oposição do economista  Jaime Antunes e de Guerra Madaleno e, na derradeira, do empresário Bruno  Carvalho.

Após as últimas eleições, o clube procedeu à alteração de estatutos,  permitindo, conforme o artigo 61., que apenas possam concorrer à presidência  sócios com “pelo menos 25 anos ininterruptos como sócio efetivo”, uma alteração  que também lhe valeu críticas.

Na passagem pelo Benfica, Luís Filipe Vieira foi ainda uma voz quase  isolada nas críticas à justiça no processo Apito Dourado, de corrupção no  futebol português, mas os seus opositores optam por lhe apontar o dedo na  gestão do clube.

Rui Rangel não só lhe aponta os pecados financeiros, mas considera que  o Benfica entrou numa via “não democrática”, em que o atual presidente opta  por uma «lei do silêncio» e evita o debate de ideias, numa filosofia contrária  ao passado do clube.

Nos próximos tempos, uma das medidas mais importantes a gerir pela nova  Direção será a negociação do contrato de direitos de transmissão televisiva  dos jogos do Benfica, cujo contrato com a Olivedesportos expira em 2013.

Zapping, com Lusa

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close