«O contrato obriga-me a estar na TVI, depois logo se vê», Manuel Luís Goucha


tvi

Manuel Luís Goucha assume, numa entrevista à Notícias TV, que sempre quis a fama e que aprendeu da pior forma que é preciso trabalhar muito para lá chegar. Está há 20 anos ininterruptos no ar e assume que faz o que realmente gosta.

À revista o apresentador de 58 anos confessa que o seu sonho em criança era ser famoso. «Era um objetivo, sem dúvida idiota. É estranhíssimo que uma criança de seis anos diga que quer ser conhecida (..) Para mim ser conhecido era uma função para ter na vida, o que não faz sentido. Eu dizia que queria ser conhecido, e mais, tinha a certeza que a meta eram os aplausos e a fama».

Depois de alguns programas de culinária, de programas da tarde com Teresa Guilherme e do faraónico “Momentos de Glória”, o percurso do comunicador fez-se nas manhãs. Até Hoje. Primeiro com o “Viva a Manhã” e depois com o “Praça da Alegria”.

Da experiência na RTP ficam as boas memórias, a estaleca que obteve e a mágoa com a situação de Sónia Araújo. «A coisa não correu muito bem com a Sónia Araújo e fui muito injustiçado nessa altura. Mas compreendo que tenha sido porque interessava a quem estava à frente do programa diabolizar um bocadinho a questão. Eu não tinha que dividir protagonismo com a Sónia, ela não era minha parceira, foi contratada para ser minha assistente e para apresentar os momentos musicais. E isso faz toda a diferença. Quando dizem que não lhe dei protagonismo, é verdade, porque poderia ter dado mais», contou.

Já com Cristina Ferreira, na TVI, a divisão de protagonismo foi muito mais fácil. «Quando fui fazer o Você na TV não tive problema nenhum em dividir protagonismo. A Cristina foi contratada para ser minha parceira. Aliás, quem a conhece sabe que ela não alinharia noutra coisa, ela perguntou logo em que condições seria. É de igual para igual, disseram-lhe».

Manuel Luís Goucha vê-se, no entanto, a perder a companheira de quase uma década para a concorrência, se tal tiver de acontecer: «Que remédio, se isso um dia acontecer. Não há casamentos para a vida, nem profissionalmente. Há casamento duradouros, felizes, e este é felicíssimo. E é uma dupla que ainda tem muito para dar», refere.

Gabriela Sobral, directora de produção da SIC e Júlia Pinheiro, ditetora de conteúdos e apresentadora da mesma estação já referiram que gostavam de ter Goucha em Carnaxide. «Elas já disseram publicamente que gostavam de me ter a mim e à Cristina na SIC (gargalhada). O que me faria mudar? O desafio, o projeto. Tal como fez mudar a Júlia Pinheiro. Eu visto a camisola diariamente, na defesa de um produto em que acredite, tenho que ser feliz naquilo que faço, senão não consigo passar nada lá para casa. Sou muito exigente comigo e com a minha equipa. Tenho contrato, que me obriga a estar na TVI até 31 de dezembro de 2014, ainda falta muito, depois logo se vê…»

A pouca televisão que vê é gasta com política, informação, cultura e ficção: «Vejo tudo o que é debates políticos, tenho um fascínio pela política, vejo programas de viagens, vejo muita música clássica, e uma ou outra novela, não pela trama mas pelo trabalho dos atores. Comove-me ver uma Eunice Muñoz a interpretar bem, choro a ver bons atores, uma Alexandra Lencastre, uma Adriana Esteves em Avenida Brasil ou uma Christiane Torloni em Fina Estampa», termina.

 

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close