Os Melhores da Década – A Crónica


Esta é a primeira crónica do novo projeto do Zapping, Os Melhores da Década. Todas as quartas-feiras, quatro membros do fórum irão dar a conhecer a sua opinião sobre as várias fases do concurso, as categorias que o compõe e avaliar os nomeados que estão ainda em votação. Magy, Samuel, NC10 e Free Live analisam esta primeira fase d’ Os Melhores da Década (pode votar aqui).

Magy

Rufem os tambores, os Melhores da Década já lutam pelo primeiro lugar em oito categorias.
Pessoalmente estou bastante contente com este projecto, acho que foi uma excelente ideia, bem pensada e feita na hora certa! Dez anos é muito tempo, são muitos programas, muita memória a exercitar. Há nomeados que, devido aos anos a que passaram na televisão, nos deixam a olhar para eles e a perguntar “de onde é que este veio?”, mas década é década e desde 2003 tudo conta.
Quanto às categorias, destaco Melhor Genérico e Melhor Vilão. O primeiro porque é uma surpresa, normalmente esquecem-se os genéricos. Pessoalmente acho que devia ser o próprio genérico a estar em votação, não somente a música, mas não foi possível. Quanto à segunda categoria, decidi destacá-la porque me parece que a mais fácil de escolher. Pelo menos tendo em conta o quão marcante uma das candidatas foi na televisão portuguesa.
Para esta primeira crónica decidi não escolher nenhum nomeado pela negativa, vou guardar isso para quando tivermos os 10 melhores em cada categoria.

Equador: Começo com Equador, nomeado na categoria Melhor Série. Pessoalmente não foi uma série que me tenha cativado muito. Tenho a noção de que foi uma grande produção, que envolveu muita gente, muitos bons actores e uma equipa técnica excelente. Vi todos os episódios, mas não foi algo que me marcasse, no entanto, como já disse, reconheço-lhe o mérito e espero que passe para os 10 melhores.
Nota: 16/20

“Rodrigo Monteiro Castro” (Luís Esparteiro)- Espirito Indomável: E já que estamos em maré de ficção, a minha segunda escolha foi o vilão “Rodrigo Monteiro Castro”, interpretado pelo excelente Luís Esparteiro. Escolhi esta personagem, não só pela excelente interpretação, mas porque acho que, de uma ou outra forma, mexeu com muitos espectadores de Espírito Indomável. A personagem era extremamente violenta, muito pesada, com uma sede de vingança enorme que apenas amansava perante a filha desaparecida. Talvez não seja dos vilões mais épicos das telenovelas portuguesas, mas de certeza que não deixou indiferente quem assistia a novela. Acho que não passará para os 10 melhores, mesmo que na minha opinião mereça lá estar.
Nota: 13/20

Big Brother: O Big Brother (nomeado em Grande Entretenimento) tinha de estar na minha lista. Foi o programa que revolucionou não só a TVI, mas a televisão em Portugal. Até então eram poucos os concursos que chegavam tão perto do público de uma forma tão pessoal. Há que goste, há quem deteste, há quem diga que não presta mas via sempre. Acredito que, nem que fosse uma vez, toda a gente deitou o olho. Para mim é um dos obrigatórios nos 10 e nos 5 mais da sua categoria.
Nota: 20/20

Você na TV: Outro programa que não podia faltar no meu comentário é o talk-show Você na TV. É o pilar das manhãs da TVI (e da televisão portuguesa), tem dois apresentadores fantásticos, diferentes entre si, mas que se completam a 200%. Tenho pena que o programa esteja a cair na rotina. Durante anos havia sempre uma novidade apresentada no aniversário do programa. Isso deixou de acontecer, talvez devido às contenções, percebe-se. No entanto, acho que, quer a Cristina quer o Goucha se acomodaram um pouco no programa. Desde há um tempo para cá que começam e acabam o programa sentados naquelas cadeiras, é raro o tempo em que de lá saem e no início não era assim, apenas se sentavam quando havia conversas para isso. Tenho receio que o programa estagne com o tempo e deixe de trazer novidades em termos de rubricas, convidados e temas. Ao contrário, a animação e o riso é cada vez maior. Por mim passava já para os 5 melhores e para o primeiro lugar da categoria!
Nota: 20/20

Factor X: Vou acabar com Factor X (nomeado em Grande Entretenimento). É um formato fantástico, com imenso sucesso lá fora e que a SIC foi intelegentíssima em comprar. Para mim, é um formato muito melhor que o Ídolos, porque mostra melhor o acompanhamentos dos mentores (apesar de, a meu ver, faltar um mentor mais mediático) e tem uma dinâmica mais pessoa-a-pessoa. Tenho pena que a TVI não tenha optado pelo formato, apesar de saber que a SIC é bem mais virada para talent-shows. Merece, não só estar nos 10, como passar já para os 5 melhores!
Nota: 20/20

Samuel

Este projeto é uma lufada de ar fresco para o Zapping. O mesmo consiste em escolher os melhores dos melhores, aqueles programa, personagem, informativo ou música de genérico que mais marcaram quem nos segue.
Espero que as escolham sejam feitas no sentido da qualidade de cada nomeado e não do canal a que pertence. Todos sabemos que há tendências para tudo, mas a qualidade está acima de tudo neste projeto, a meu ver.
Os nomeados foram escolhidos consoante as datas de avaliação, ou seja, de 2003 a 2013. É verdade que há pequenas falhas, mas são tantos que muito difícil seria agrupá-los todos. Há portanto que assinalar o excelente trabalho de quem os selecionou.
No cômputo geral, temos aqui um grande projeto!
Nomeados escolhidos:

Rosa Fogo: Escolhi esta novela, porque me marcou bastante. É das mais contestadas da SIC e a que mais opiniões diferentes tem. Contudo, a meu ver, teve um excelente elenco e o melhor argumento de Patrícia Muller. Os meus 16 pontos devem-se aos bons momentos que passei em frente ao ecrã, mas, por outro lado, à má condução de certas personagens, como a ‘Teresa’ de Lídia Franco (personagem que adorei, por sinal) e uma ou outra personagem cómica. No geral, muito boa novela.
Nota: 16/20

Aqui Não Há Quem Viva: Não escondo que esta é a minha favorita para vencer a respetiva categoria. Aliás, a série é das melhores coisas que já foram feitas na televisão portuguesa. Excelente humor e ótimas personagens são os pontos fortes da série, que fazem com que seja de facto uma das melhores.
Nota: 19/20

Camilo, o Presidente: Acho que este “Camilo” é a pior série das quais Camilo Oliveira fez parte. Apesar da excelente interpretação de Camilo, “o Presidente” não ficará na memória de muitos portugueses. A série não terá certamente lugar no TOP10 da categoria, a menos que muitas sejam desconhecidas para quem vota.
Nota: 10/20

João Pedro Pais – Mais Que Uma Vez: Excelente canção! Das melhores da longa lista de nomeadas. Apesar de a novela, segundo o que me lembro, não ter sido das melhores, o genérico é muito bom mesmo! João Pedro Pais no seu melhor.
Nota: 17/20

Amanhecer: Sou fã assumido da novela. Aliás, um fã incondicional que jamais esquecerá “Amanhecer”. Foi esta novela que me despertou o gosto pela ficção da TVI. Foi a partir desta novela que comecei a seguir a TVI. Na minha opinião, é uma das melhores da estação, apesar de não ser muito reconhecida atualmente. A meu ver, Fernanda Serrano teve aqui o seu melhor papel até agora. Gracinda Nave esteve também excelente e as promessas Sara Barradas e Diogo Martins juntaram-se a um excelente elenco. Adorei a novela e espero que tenha uma posição no TOP10.
Nota: 19/20

NC10

‘Os Melhores da Década’ é a rúbrica que já fazia falta há muito tempo num fórum televisivo. Os nomeados já estão escolhidos e agora só faltam ser revelados os vencedores. Ao longo das próximas semanas, irei comentar os diversos nomeados das diferentes áreas e, por isso, só posso desejar o maior sucesso para este projecto.

Você na TV: Quando surgiu em 2003, ninguém diria que a dupla formada pelo experiente Manuel Luís Goucha e pela nova Cristina Ferreira se iria tornar numa das de maior sucesso de sempre da televisão portuguesa. Em termos de conteúdo, o programa não difere muito dos concorrentes e, por isso, o grande sucesso só pode ser explicado pela cumplicidade dos dois apresentadores do talkshow matinal da TVI. A empatia que criam com o público em estúdio e com os próprios convidados tornam o programa muito mais apelativo. Tudo isto aliado às várias ‘brincadeiras’ que o Manel e a Cristina fazem ao longo das três horas de emissão diária, tornam o ‘Você na TV’ o talkshow de eleição dos portugueses.
Nota: 19/ 20

Aqui Não Há Quem Viva: ‘Aqui Não Há Quem Viva’ é para mim a melhor série de comédia produzida nos últimos 10 anos em Portugal. Um elenco de luxo e uma história com pés e cabeça que não se limita a piadas forçadas, fazem desta série um programa obrigatória a ver ou rever. É uma pena que, devido aos fracos resultados audiométricos da sua primeira exibição, a SIC não tenha decidido apostar em mais temporadas.
Nota: 20/20

Factor X: Quando surgem as primeiras notícias que se um formato internacional de grande sucesso vai ser adaptado cá em Portugal, fico sempre um pouco reticente porque a maioria das adaptações portuguesas deixa sempre muito a desejar. Felizmente, o X-Factor português revelou uma exceção à regra e apresentou-se como um formato com uma produção bastante cuidada e acima de tudo conseguiu reunir um elenco bastante talentoso. Não podia claro me esquecer de mencionar a escolha certeira do painel de jurados, com grande destaque para a vocalista dos ‘The Gift’, Sónia Tavares
Nota: 18/20

“Luíza Albuquerque” (Alexandra Lencastre) – Ninguém como Tu : Ninguém como Tu foi um marco na ficção nacional e o grande sucesso desta novela a muito se deve à personagem interpretada por Alexandra Lencastre, a memorável Luíza Albuquerque. Luíza foi a prova de que uma vilã não necessita de ser 100% maldosa e que os vilões tanto como os heróis têm o seu lado bom e o lado mau.
Nota: 18/20

Portugal em Festa: Não, não vou criticar o programa por ser ‘popularucho’ ou por apostar só em música pimba. A minha principal crítica é direcionada ao número excessivo de vezes que os apresentadores fazem referência ao passatempo de casa neste programa. Além disso este programa não passa de uma réplica do ‘Somos Portugal’ da TVI e veio tornar as tardes de domingo das TV generalistas ainda mais monótonas.
Nota: 4/20

Free Live

Foi no dia 28 deste mês que chegaram ‘Os Melhores da Década’, com o objectivo de avaliar o que de melhor se fez nos últimos 10 anos por cá. Estou expectante em relação a este projecto, visto que praticamente todas as categorias são de futuro imprevisível, dada a enorme quantidade de nomeados. Espero que este projecto tenha uma boa recepção, até porque quanto mais pessoas votarem, mais credível se torna o projecto.
Vou agora avaliar 5 dos nomeados das diversas categorias:

Perdidos na Tribo: Gostei bastante do conceito deste programa, foi uma lufada de ar fresco na época em que foi emitido. Aquilo que mais me cativou foram as relações que se foram estabelecendo entre os famosos e os indivíduos da tribo, que no início não se conheciam e estavam separados por uma enorme barreira linguística e cultural, mas que, com o passar do tempo, foram-se aproximando e criaram laços entre si. Sinceramente, não sei se este programa vai ser um dos 10 escolhidos, mas acho que merecia por tudo aquilo que apresentou.
Nota: 15/20

Estado de Graça: Muitos programas deste género já foram feitos no nosso país, portanto não é um conceito propriamente original, mas acho que este foi um dos melhores do género. Raramente algum ‘sketch’ não tinha piada e, para isso, muito contribuíram os excelentes textos e o enorme talento dos actores envolvidos no projecto. É difícil escolher aquele que mais se destacou, mas vou pelo Manuel Marques que arrasou nas imitações de Cátia Palhinha da ‘Casa dos Segredos’. Acho que tem grandes hipóteses de passar à fase seguinte.
Nota: 16/20

Sentimentos: O plot desta novela era bastante original e tinha bons ingredientes, principalmente na história da personagem ‘Thai’. O início foi realmente bom, mas com o tempo a novela foi perdendo o interesse, até que chegou a um ponto em que deixei de assistir, pois as histórias caíram em ‘clichês’ e a novela tornou-se muito parada, uma desilusão. Acho que as hipóteses de ser uma das 10 escolhidas são praticamente inexistentes.
Nota: 8/20

Aqui Não Há Quem Viva: Adorava esta série! Os diálogos eram do melhor, as interpretações eram magníficas e em todos os episódios havia uma intriga que agarrava os telespectadores à televisão. Todas as personagens eram excelentes e tinham uma grande química entre si. Gostava que o último episódio tivesse sido melhorzinho, visto que nem sequer pareceu um ‘último episódio’ e nesse ponto desiludiu-me. Acredito que vai estar na próxima fase, e merece.
Nota: 17/20

“Diana Silva” (Joana Santos) – Laços de Sangue: Excelente trabalho da Joana Santos no papel de Diana. A pobre menina que caiu no rio tornou-se numa mulher fria e capaz de tudo por vingança. Roubou o namorado à irmã, fingiu que foi empurrada pelas escadas só para incriminar a mesma, assassinou a mãe, foi a responsável pela morte do amante e muito mais. O seu final também foi excelente. Acredito que ela pode vir a ser uma das escolhidas para a próxima fase.
Nota: 17/20

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close