Presente nas duas versões, José Wilker fala desta “Gabriela”

José Wilker vai ficar para sempre ligado a “Gabriela”. O ator entrou versão de 1975 e na atual que podemos ver na SIC. E se há quase 40 anos deu vida ao progressista Mundinho Falcão (vivido atualmente por Mateus Solano), nesta versão de 2012 interpreta o tradicional e retrógrado coronel Jesuíno.

À revista TV 7 Dias, o ator confessa que foi bastante estimulante dar vida ao déspota. «O meu primeiro sentimento ao fazer “Gabriela” é que estou a revisitar um grande amigo, num período que foi muito feliz. Agora temos a hipótese de o reencontrar. Na primeira versão fiz o oposto, o Mundinho Falcão. Digamos que o Jesuíno é a vanguarda do atraso. Foi desafiador, estimulante e enriquecedor», contou.

Quando “Gabriela” estreou em Portugal, tornando-se na primeira novela a ser exibida no nosso país, o ator esteve por cá e viveu o sucesso de perto. «Eu estive em Portugal em 1979 e senti na pele o êxito de “Gabriela” na primeira apresentação. Era uma coisa assustadora! Para onde me virava havia uma “Gabriela” e um “Mundinho Falcão”, já que a novela representava um momento político tão difícil para nós e também para Portugal… era um género de líder da novidade».

Crendo que um mesmo sucesso não acontece duas vezes, José Wilker surpreendeu-se. Quando soube que “Gabriela” ia ser reeditada nesta versão não tinha a noção que pudesse representar um êxito tão grande. Pensei que a força da primeira versão ofuscasse o êxito da segunda, mas Jorge Amado merece ser sempre revisitado. Na primeira versão tivemos um manifesto político, e nesta há uma aposta na diversão, mais no riso que no protesto», disse, orgulhoso.

Entre uma e outra versão, a mensagem é a mesma. «É o sinal dos tempos. Lembro-me que nos anos 70 se falasse merda era punido pela televisão e proibido pela censura. Num momento desta novela digo: ‘Deem-me licença que vou cagar’. Isso era absolutamente impossível naquela época, era uma ditadura idiota, mas efetiva. “Gabriela” conseguiu não passar a linha da sensualidade e enveredar na pornografia», explicou.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close