[Raio Z] Entrevista a Denis Filipe, vencedor do “A Voz de Portugal”


Numa altura em que a RTP se prepara para estrear a segunda edição do talent show, “The Voice Portugal”, o Raio Z esteve à conversa com o primeiro vencedor do formato.
Denis Filipe fala-nos do que já fez após o concurso musical, do seu álbum ‘Twist & Bend’ e do futuro.
Numa entrevista animada, é Denis em mais um Raio Z!

Zapping: Foi um dos concorrentes do programa “A Voz de Portugal”. Como foi participar neste projeto?
Denis Filipe:
 Foi uma experiência positiva, no qual consegui realizar algo que já ambicionava já há alguns anos. A gravação do meu primeiro álbum ‘Twist & Bend’.

Z: A RTP1 prepara-se para estrear uma segunda temporada. Vai tentar acompanhar esta edição?
DF:
 Sim, vou tentar acompanhar, mas vou ter alguma dificuldade porque no final de Abril vou mudar-me para Londres para tentar divulgar o meu trabalho por lá. Só vou regressar a Portugal para tocar em alguns espetáculos de verão.

Z: Caso o programa venha a ter mais temporadas, gostava de um dia chegar a mentor do formato?
DF:
 Seria engraçado, depois de alguns anos, o papel inverter-se. Certamente iria aceitar o desafio.

Z: Portugal tem um mercado musical suficientemente grande para abranger todos os concorrentes de talent shows?
DF:
 Portugal, neste momento, não têm espaço para os artistas em geral. Há poucos concertos, a cultura está estagnada e neste momento está difícil para toda a gente. É preciso trabalhar e ter muita força de vontade para se fazer carreira na música, quer seja uma pessoa que tenha vindo de um talent show ou de uma garagem, etc.

Z: Lançou entretanto o seu primeiro CD, ‘Twist & Bend’, acha que é um trabalho que o define enquanto músico?
DF:
 Sim, até porque fui eu que escrevi, compus e até gravei todas as músicas do álbum. Então, tem muito de mim.

Z: O álbum tem músicas em Português? É importante cantar, também, na nossa língua?
DF:
 Na realidade só tenho uma música em português, o resto do álbum é em inglês. Acho que é importante exprimir-nos no que achamos que encaixa nas músicas, não desvirtuar as coisas só porque se têm mais mercado se cantarmos na nossa língua. É importante haver artistas que se exprimam em português e acho que já temos muitos fadistas a espalhar o português por todo o mundo. Para rematar, acho importante que um artista se sinta bem e acredite naquilo que está a fazer, independentemente da língua que canta ou através de música instrumental.

Z: Em cada trabalho pretende imprimir um toque pessoal?
DF:
 Em cada trabalho pretendo sempre inovar, fazer algo diferente e não ficar estagnado.

Z: Algum dos temas de ‘Twist & Bend’ tem uma inspiração especial?
DF:
 Inspiro me sempre em algo, nem que seja à partida no rock n’roll, no amor ou histórias do dia-a-dia. Mas, por acaso, escrevi um tema em que me inspirei na minha passagem pelo programa, o tema chama-se ‘I want it so bad’.

Z: Já pensa num novo álbum? Um dueto com o seu “mentor” Rui Reininho é uma possibilidade?
DF:
 Por enquanto, ainda não estou a pensar num novo álbum. Fazer um dueto com o Reininho é um grande desafio. Talvez um dia.

Z: Vamos à pergunta de praxe: Que conselho deixa para os novos concorrentes de “The Voice Portugal”?
DF:
 O conselho mais importante é que desfrutem da passagem pelo programa. Às vezes, como concorrente, isso passa-nos ao lado. Porque queremos fazer uma atuação perfeita e depois isso não acontece porque estamos a pressionarmo-nos tanto que às vezes sai ao lado.

Z: Perguntas Rápidas:

Maior Vício: Música e doces.
Livro/Filme/Música/Série Favoritos: Gostei muito da série ‘Breaking Bad’, na música e nos filmes é complicado escolher, depende sempre da altura.
Na TV não dispenso: estar com um boa companhia.
A pessoa que mais admiro é: os meus pais. São um grande exemplo de vida.
Não vivo sem: internet.
Não saio de casa sem: normalmente o telemóvel.
Um dia corre bem quando: me sinto realizado com o que fiz no dia.

Z: Pergunta Final:
A sua vida dava uma novela porquê?
DF:
 Uma novela não digo, mas uma minissérie talvez. Uma série onde anos de perseverança fizeram com que chegasse e conquistasse aquilo que já conquistei na música. Talvez daqui a uns anos a minissérie se tornasse num bom filme, quem sabe.

Entrevista de Ricardo Neto
Revisão de Inês Silva

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close