[Raio Z] Entrevista a Inês Faria: “Os espectadores já estavam a precisar de uma ‘lufada de ar fresco’, no que toca à ficção nacional em horário nobre.”

Nova nestas andanças, a atriz que dá vida a Inês em “Bem-Vindos a Beirais” conta-nos como chegou até aqui e como é pertencer à “família beiralense”. A aspirante a atriz, como a própria o diz, revela-se ao Raio Z e conta-nos um pouco mais do que podemos esperar da sua Inês Santiago.

A estudar Teatro, na Escola Profissional de Teatro de Cascais, Inês Faria conta-nos tudo sobre os seus projetos e sonhos em mais um Raio Z!

Zapping: “Bem-Vindos a Beirais” é o seu primeiro grande papel, como chegou à série?
Inês Faria: Surgiu a oportunidade de fazer um casting para um dos 12 telefilmes produzidos pela Plural, para a RTP, e foi-me “entregue” uma das personagens principais. Não estava nada à espera de ser seleccionada, visto que era o meu primeiro casting e nunca ter feito mais nada, além dos “teatrinhos” da escola. Claro que o bichinho da representação esteve sempre presente desde pequena, embora tenha sido uma miúda muito tímida no que tocava a “demonstrações”, só mesmo com a família e mesmo assim…
Depois desse magnifico projecto (Telefilme “Jogos Cruéis”), em que tive o prazer de trabalhar com excelentes profissionais do meio. Entre eles, destaco o ator e realizador Afonso Pimentel, que desde o início acreditou em mim e fez com que eu também acreditasse. E também o ator António Cordeiro (que interpretava o papel de meu pai, no telefilme), que me incentivou imenso e falou logo de mim à minha actual agente Sofia Espírito Santo, que pertence à agência True Sparkle, agência de jovens aspirantes a atores (sim, porque ainda não me considero, nem de perto nem de longe, uma atriz).
Entretanto entrei para a Escola Profissional de Teatro de Cascais e estou, neste momento, no 2º ano do curso. A meio do primeiro ano do curso, surgiu um convite, por parte da RTP, para integrar o elenco da série “Bem-Vindos a Beirais”, produzida pela SP Televisão. Um contrato que, inicialmente, tinha uma duração de 3 meses e já andamos a gravar há 1 ano!

Zapping: A série tem obtido vários recordes. Acha que é possível que “Bem-Vindos a Beirais” lidere a tabela de audiências?
IF: Sim, é verdade, temos conquistado resultados fantásticos. Fruto da grande união que existe entre toda a equipa da série.
Seria um privilégio e uma alegria enorme, para nós, se a liderança da tabela de audiências nos fosse atribuída (nem que fosse por um dia, ahah). Mas não é esse o nosso objectivo e temos consciência que ainda somos novatos no que toca a estas andanças.

Zapping: Na sua opinião o que cativa os portugueses a ver esta série?
IF: Penso que os espectadores já estavam a precisar de uma “lufada de ar fresco”, no que toca à ficção nacional em horário nobre. Sempre as mesmas novelas, sempre os mesmos enredos e acho que “Beirais” veio mudar um pouco isso. E, neste caso, acho que foi uma mudança boa. Cada episódio tem um título e nenhum episódio é igual ao outro. Uma coisa é certa, não há um único episódio que não suscite uma gargalhada no espectador. Na minha opinião, o segredo do sucesso da série também passa muito por existirem, constantemente, participações especiais e caras novas em cada episódio. E isso faz com que o espectador não se canse.

Zapping: Falando na sua Inês. Sente que a sua personagem tem vindo a crescer?
IF: A Inês é uma miúda com uma personalidade muito forte e, ao longo, da série tem passado por várias mudanças: primeiro a mudança de Lisboa para Beirais e, depois, a separação dos pais. É uma adolescente e isso basta, está constantemente a deparar-se com mudanças de humor, com os conflitos considerados normais durante a adolescência. Mas acho que, apesar de tudo, a Inês Santiago é feliz em Beirais.

Zapping: Vêm aí mais temporadas de “Beirais”. O que nos pode avançar sobre o futuro da sua personagem?
IF: Não sei, não sei. Têm de acompanhar a série (ahah)… Mas um passarinho contou-me que a Inês Santiago vai ter um namorado…

Zapping: Quais são as principais diferenças entre gravar a série “Bem-Vindos a Beirais” e gravar um telefilme como “Jogos Cruéis”?
IF: A série “Bem-Vindos a Beirais tem um ritmo alucinante, já cheguei a gravar 13 cenas seguidas, sem paragens, e depois seguir para exterior para gravar 3 cenas! Não há tempo para se pensar muito, é fazer e pronto.
Já no telefilme foi tudo mais espaçado, podíamos pensar e reflectir sobre cada cena, o que vai fazer com que o produto final seja mais realista, coerente e que as pessoas se identifiquem mais. Existe um processo de construção de personagem muito mais longo, porque nos é exigido que, num curto espaço de tempo, passemos para o espectador quem é a aquela personagem, o antes e o depois… Aquela personagem, para ser credível, não pode ter chegado ali de pára quedas, temos de criar objectivos para cada personagem e identificar todos os obstáculos para tais objectivos.

Zapping: Além de “Beirais”, que outros projetos tem neste momento?
IF: Estou, ao mesmo tempo, no 2º ano da Escola Profissional de Teatro de Cascais. O que faz com que não me reste muito tempo livre…
Mas tenho como ambição o teatro, a minha grande paixão… E é para isso que estou a estudar. Tenho também uma enorme curiosidade em fazer dobragens, infelizmente nunca tive oportunidade, mas fica aqui anotado (ahah)!

Zapping: Da nova geração de atores, é das poucas atrizes que não vem dos “Morangos com Açúcar”. Tentou integrar um dos elencos da série ou este não foi um projeto que a cativou?
IF: Acompanhei os “Morangos Com Açúcar” desde a primeira temporada, fizeram parte da minha infância… E desejava um dia lá estar, como qualquer um dos miúdos na altura, mas nunca passou disso… Nunca fui a nenhum casting. Como disse, tudo isto aconteceu num curto espaço de tempo, não estava nada planeado, as coisas foram acontecendo.

Zapping: Alguns colegas seus referem que “Beirais” já é uma família. É difícil despir a personagem e voltar “ao mundo real”?
IF: Não, não é difícil… Como a minha professora Beatriz Batarda diz: “temos de guardar o nosso “eu” no bolso” e, assim que saio do estúdio, tiro-o do bolso e volto a ser a Inês Faria, visto que não é uma personagem com uma grande densidade emocional.
Quanto a Beirais ser uma família, eu nem sei o que dizer. É verdade, sem dúvida que sim! Passamos tanto tempo juntos, ajudamo-nos tanto, rimos tanto, já passámos por tantas situações juntos, que já somos a família Beiralense. Quem vem de fora, e passa um dia ou outro connosco, apercebe-se disso. Já conhecemos todas as manias, defeitos, qualidades e gostos uns dos outros, mas acaba por acontecer inconscientemente, fruto do tempo que passamos juntos (que é bastante, diga-se de passagem ahah).

Zapping: Perguntas Rápidas:
Maior Vício… Café
Livro/Filme/Música/Série Favoritos… Livro: À Espera de Godot, de Samuel Beckett. Filme: Incendies e V de Vingança
Na TV não dispenso… Filmes
A pessoa que mais admiro é… A atriz Rita Blanco
Não vivo sem… Telemóvel
Não saio de casa sem… Telemóvel
Um dia corre bem quando… Não me esqueço de nada em lado nenhum, sou super despistada!

Zapping: Pergunta Final:
A sua vida dava uma novela porquê?
IF: No máximo daria uma curta-metragem, em comparação a tantas outras vidas…

Entrevista de Ricardo Neto
Revisão de Margarida Costa

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close