[Raio Z] Entrevista a João Fernando Ramos: “A RTP é uma televisão plural e isenta.”


Natural da Lousã, João Fernando Ramos era, até há bem pouco tempo, o diretor da RTP Porto. Pivô do principal bloco de notícias da RTP2, João fala-nos do seu percurso e do que está para vir. Numa altura em que prepara um novo formato informativo para a RTP2, o jornalista revela-nos o que podemos esperar deste novo noticiário e dos seus objetivos para o programa. Um fã das redes sociais e de corridas de carros, chegou mesmo a participar numa das edições do Rali Portugal. Fique a saber um pouco mais sobre João Fernando Ramos, pois hoje ele está em Raio Z! Zapping: Deixou recentemente o cargo de chefia que tinha na RTP Porto. O que nos pode dizer sobre esta decisão? João Fernando Ramos: Foi uma decisão que tomei em consciência, depois de um episódio desagradável que pertence ao passado. Nesta altura estou muito motivado com este novo desafio de construir um jornal novo e de o levar à antena da RTP 2, dentro de muito pouco tempo. Gosto muito deste novo papel. Foi um desafio muito motivador da nova direção de Informação. Z: Sabemos que tem Facebook e Twitter. Neste momento, as redes sociais são um instrumento importante para a informação? JFR: Sim. São uma fonte de notícia, uma boa forma de percebermos o que as pessoas pensam sobre cada um dos temas dos nossos dias. Z: Vai coordenar e será também pivô do principal bloco informativo da RTP2. Quais são as suas perspetivas para esta nova experiência? JFR: Estamos ainda a preparar o Jornal. Vai ter um novo conceito e é um desafio muito interessante. Espero que quem gosta de notícias se identifique com este novo conceito e que marque sempre encontro com a nossa equipa às nove, na 2. Z: Quais serão as principais diferenças entre um noticiário da RTP1 e da RTP2? JFR: Vão ser muitas. O ‘Jornal-2’ vai explicar melhor as notícias mais marcantes do dia, com a análise de quem sabe verdadeiramente de cada temática. Teremos um painel muito alargado de comentadores em todo o país e teremos uma visão verdadeiramente global da atualidade. Vamos trazer à antena da RTP figuras do Porto, de Coimbra, de Faro, de Lisboa, de Évora, etc… Teremos quem sabe a comentar num olhar mais atento. Z: A estação pública é muitas vezes acusada de falta de isenção. Sente que, por ser um canal do estado, estarão sempre condicionados aos olhos do público? JFR: A RTP é uma televisão plural e isenta. Somos o órgão de comunicação social mais escrutinado em Portugal. Z: Faltam mais blocos informativos na televisão generalista portuguesa? JFR: Julgo que não. Temos muitos boas alternativas e este Jornal da RTP 2 é mais uma que queremos tornar numa das marcas de qualidade da nossa oferta. Z: A RTP tem um programa de investigação, o ‘Sexta às 9’. Era o tipo de formato que lhe daria gozo apresentar? JFR: Não. Gosto muito deste registo que vamos assumir na RTP 2, e que já tinha ensaiado no ‘24 Horas’. Z: Para os laicos sobre o assunto, como funciona ao certo a redação de um canal de informação 24 horas por dia? JFR: 24 horas por dia, sempre atento ao que está a acontecer. É uma redação que não dorme. Z: As audiências são quem, no fundo, comanda a televisão? JFR: São importantes. Trabalhamos para o público e é importante perceber se somos uma oferta válida. Z: Nunca pensou deixa de lado a informação e dedicar-se ao entretenimento? JFR: Curiosamente comecei na televisão no entretenimento. Vim para a informação por opção clara. Adoro o meu trabalho e é um privilégio trabalhar numa equipa como esta da RTP. Z: Perguntas Rápidas: Maior Vício: (nada) Livro/Filme/Música/Série Favoritos: Livros com história e boas estórias, música que me surpreenda, ‘Bem Vindos a Beirais’… Na TV não dispenso: As notícias, o ‘5 Para a Meia Noite’ e pouco mais… A pessoa que mais admiro é: Muitas. Obviamente os meus pais, a minha mulher e os meus filhotes. Não vivo sem: Emoções… Não saio de casa sem: Um sorriso e vontade de viver cada minuto do novo dia. Um dia corre bem quando: Acaba numa jantarada de amigos, daquelas que não se contam, mas que são sempre tão saborosas. Z: Pergunta Final: A sua vida dava uma novela? Porquê? JFR: Não sei. Mas vivi momentos bem divertidos… Entrevista de Ricardo Neto Revisão de Inês Silva

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close