[Raio Z] Entrevista a Marcantónio Del Carlo


Ator, encenador, autor e dublador, o nosso convidado dispensa apresentações.
Integrou tramas de sucesso como ‘Filha do Mar’, ‘Saber Amar’, ‘Tempo de Viver’ ou ‘Fascínios’.

De origem italiana, é hoje um dos nomes fortes da ficção em Portugal. É Marcantónio Del Carlo em Raio Z!

Zapping: Depois de vários anos nas produções da TVI, fez recentemente uma participação em ‘Bem-Vindo a Beirais’. Como foi esta experiência?
Marcantónio Del Carlo:
 Muito interessante. Foi bom voltar a trabalhar para a RTP, que foi onde me estreei em TV.

Z: Trabalhar com uma equipa nova é estranho para si?
MDC:
 De todo. Esta equipa, nomeadamente a técnica, conheço muito bem. Com muitos deles, liderados pelo Manuel Amaro já trabalhei várias vezes.

Z: Vários colegas seus têm “trocado” a TVI pela SIC. Acredita que o pode vir a fazer?
MDC:
 Estou no mercado, sempre estive.

Z: Recentemente integrou o elenco de ‘Mundo ao Contrário’, uma novela mais “pesada”, segundo alguns colegas seus. O que tinha esta trama de diferente?
MDC:
 Julgo que esta novela não tinha grandes diferenças das outras. Tinha alguns grandes e bons atores que foram mal aproveitados no projeto. Não se pode querer conquistar um horário como o “late night” apenas com tramas e elencos juvenis. Isso funciona noutros horários. Mas quem sou eu para opinar sobre estas matérias…

Z: Qual foi a sua preparação para interpretar este Maximiliano?
MDC:
 Fui aprendendo como são os grandes chefes, partilhando com alguns deles a sua experiência.

Z: Já protagonizou tramas como ‘Filha do Mar’ ou ‘Saber Amar’. Interpretar um protagonista é um desafio mais aliciante?
MDC:
 Já foi mais…Hoje há grandes papéis que são secundários e muitos protagonistas que estão mal escritos e por isso não têm interesse nenhum. Gosto de me divertir como foi com o Quim em ‘Mar de Paixão’. Era um papel que ninguém dava nada por ele e tornou-se um dos mais populares da novela.

Z: Já fez, também, vários projetos na comédia. Integrar o núcleo cómico de uma novela é um objetivo?
MDC:
 Estou disponível para tudo. Esse é o papel do ator.

Z: Têm-se dedicado a projetos de teatro nos últimos tempos. Está a preparar alguma nova peça?
MDC:
 Sempre estive no teatro desde que fiz o Conservatório nos anos 80. Agora estou em vários projetos. Até ao final de Maio estou no Castelo de São Jorge com a peça ‘Contos e Sabores do Mundo’, e a partir de Abril vou encenar para o Teatro da Malaposta um texto meu que se chama ‘Isto não é uma Praxe’, com o André Nunes e a Sara Barros Leitão como protagonistas.

Z: O seu regresso às novelas acontecerá em breve?
MDC:
 Quando me convidarem para esse efeito.

Z: Perguntas Rápidas:
Maior Vício… Vinho, livros, a família.
Livro/Filme/Música/Série Favoritos… Difícil escolher o melhor.
Na TV não dispenso… o comando.
A pessoa que mais admiro é… a minha mulher e a minha filha.
Não vivo sem… a família.
Não saio de casa sem… esperança.
Um dia corre bem quando… a minha filha chega a casa com uma grande nota de um teste

Z: Pergunta Final:
A sua vida dava uma novela? Porquê?
MDC:
 Não, não dava. A minha vida é real e não ficção.

Entrevista de Ricardo Neto
Revisão de Inês Silva

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close