[Raio Z] Entrevista a Noémia Costa: “Se fosse noutro país esta série [Bem-vindos a Beirais] duraria anos.”


Atriz e fadista portuguesa, Noémia Costa nasceu a 7 de maio de 1964.
Atualmente na pele de Alzira na série “Bem-Vindos a Beirais”, Noémia revela-se ao Raio Z, falando do desemprego, dos projetos que faltam em televisão e do futuro.

Uma mulher com “garra” para conhecer hoje, em Raio Z!

Zapping: ‘Bem-Vindos a Beirais’ marca o seu regresso ao ecrã. Como viveu estes últimos anos em que esteve longe da “caixinha mágica”?
Noémia Costa: Eu fui para os EUA, fiz televisão lá. Quando regressei a Portugal não tinha trabalho na minha área e fui trabalhar noutra. Não tenho tempo para ser “coitadinha”.

Z: As gravações de ‘Bem-Vindos a Beirais’ já duram há mais de um ano. Que balanço faz deste projeto e da sua personagem?
NC: Beirais foi desenhado no céu, para mim e para todos os colegas que fazem parte deste maravilhoso projeto. A Alzira é um personagem riquíssimo, é uma matriarca, é amiga do seu amigo, adora ajudar toda a gente, adora ser casamenteira, é ciumenta com o seu Manel, adora os filhos. A Alzira tem um bocadinho de mim.

Z: Sente que ‘Beirais’ ainda poderá durar anos?
NC: Se fosse noutro país esta série duraria anos. Penso que a RTP não tem nenhuma vontade de acabar com um grande êxito. Beirais é um Dallas à portuguesa.

Z: A Alzira é dona de um minimercado, casada com um homem algo machista e mãe de um rapaz que sonha ser estilista. Sente que a Alzira é o estereótipo da típica mulher portuguesa?
NC: A mulher portuguesa é uma mulher que já foi muito conservadora, fomos educadas a submeter-nos à vontade do marido. Hoje em dia já não é “tanto” assim. A Alzira faz o que ela quer, com a maneira dela de dar a volta às coisas, consegue ainda ser mimada pelos filhos e marido. A típica mulher com sabedoria consegue tudo, até que os homens pensem que mandam e não mandam nada.

Z: Estamos habituados a ver a Noémia no registo cómico. Para um ator que tem este registo, interpretar uma personagem dramática é um desafio?
NC: Já interpretei algumas personagens dramáticas no teatro e na TV, não sou cómica, sou atriz. Faço comédia, drama, farsa, musical. Como costumo dizer: dêem-me que eu faço.

Z: Já fez um pouco de tudo, desde novelas a séries, passando por teatro e rábulas em alguns programas. Qual foi até hoje o projeto que mais gozo lhe deu?
NC: Deram-me gozo e dão todos os projetos. Dou o máximo de mim, não tenho nenhum de eleição especial, são todos inesquecíveis para mim.

Z: Falando nas rábulas que fez para o “Portugal no Coração”. Como é dar vida a personagens tão distintas e com uma curta preparação e mesmo assim não perder a graça?
NC: Eu escrevia as rábulas, alterava as letras em conjunto com ‘o viola’ que me acompanhava, Nel Garcia trabalhava muito. Eu visto os personagens durante o tempo que estou em cena, tento ser o mais verossímil possível.

Z: Sente que falta à TV mais programas de comédia?
NC: Sim, mas comédia não pode ser feita por toda a gente, nem escrita por toda a gente, graça com graça dá desgraça…

Z: Muitos colegas seus encontram-se no desemprego, contudo há atores que saltam de projeto para projeto. A culpa disto está nos diretores de produção ou na falta de projetos?
NC: Quando estive desempregada, questionava o mesmo…o problema é que os atores verdadeiros estão no desemprego e isso não tem explicação possível.

Z: Além de ‘Bem-Vindos a Beirais’, em que outros projetos a poderemos acompanhar?
NC: Aprendi a não fazer muitos projetos. Beirais agora, amanhã Deus está lá.

Z: Perguntas Rápidas:
Maior Vício… fumar.
Livro/Filme/Música/Série Favoritos… Livro- ‘Crónica da mais Velha profissão do Mundo’. Filme- ‘Voando Sobre um Ninho de Cucos’, Música- ‘Just the Way You Are’, Série- ‘Bem-Vindos a Beirais’ .
Na TV não dispenso… filmes
A pessoa que mais admiro é… são os meus pais.
Não vivo sem… a minha filha.
Não saio de casa sem… telemóvel
Um dia corre bem quando… saio de casa cedo e trabalho 12 a 14 horas.

Z: Pergunta Final:
A sua vida dava uma novela? Porquê?
NC: Sim. Tem amor, família, desamor, traição, comédia, luta, tristeza, alegria e sobretudo ternura. Não tenho ódios.

Entrevista de Ricardo Neto
Revisão de Inês Silva

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

  • Corrige

    A série chama-se “Bem-Vindos a Beirais” e não “Bem-Vindo a Beirais”.

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close