[Raio Z] Pedro Saavedra: «Considero-me um criador de personagens, seja como ator, encenador ou escritor»


Raio Z

Conhecido de muitos pelo seu papel no remake da novela “Vila Faia”, Pedro Saavedra submete-se ao Raio Z para nos falar da preparação que teve para este papel e de como foi interpretar um homem tão polémico.

Ator e encenador fala-nos do teatro e como é estar afastado da televisão. Bem disposto e cheio de projetos, é Pedro Saavedra em entrevista no Raio Z.

Pode comentar a entrevista no Fórum Zapping ou no Facebook!

Zapping: Muitos dos nossos leitores conhecem-no pela sua personagem na novela “Vila Faia”, ainda hoje é abordado na rua?
Pedro Saavedra:
 A Vila Faia foi emitida em 2009, acho que alguns dos vossos leitores ainda não eram nascidos nessa altura, mas na minha rua continuam a dizer-me coisas como: aquilo é que era, não é? Agora a sério, acho que foi um projeto extraordinário na ficção nacional, mas não teve grandes audiências. Reparo apenas que senhoras acima dos 50 anos ainda se lembram de mim da televisão.

Z: O Bruno Brisar tinha um vício em prostitutas, como foi a sua preparação para lhe dar vida?
PS:
 Os vícios funcionam todos da mesma maneira, por isso pensei nos meus próprios vícios e substitui a ideia pelo vício das prostitutas. Sejamos sinceros, os atores existem para fazer personagens. O desafio é esse mesmo: fazer e sentir coisas que não conhecemos diretamente. Poderia ter frequentado prostitutas, só para ver como era, mas deu-me mais prazer imaginar como o Bruno Brisar o faria.

Z: Sente que esta é uma realidade escondida na população portuguesa?
PS:
 Não sei as estatísticas, mas na altura foram muitos os amigos e conhecidos que me contaram histórias muito pessoais sobre esse tema. Presumo que como em outros vícios, é mais fácil esconder do que assumir, nisso estive sempre de acordo com o Bruno Brisar.

Z: Depois de “Vila Faia” seguiram-se participações na maior parte das séries da RTP, de todas qual a que lhe deu mais gozo?
PS:
 O telefilme “A Noite do Fim do Mundo”, na comemoração dos 100 anos da república. Por ser ficção histórica, pela equipa, pelos colegas, e pela personagem António Jorge, que apesar de não ter vícios também tinha uma cena de sexo.

Z: Para um ator é difícil estar afastado do ecrã?
PS:
 Não. Faz parte. Os atores são profissionais liberais, que naturalmente atravessam ciclos de mais visibilidade e ciclos de menos visibilidade. A única coisa que é difícil para um ator é não poder fazer personagens, e isso faço muitas e em muitos lados.

Z: Hoje em dia é possível, ainda, alinharmos os atores por: atores de televisão, atores de teatro e atores de cinema?
PS:
 Não. Acho que o leque de atores cresceu muito, em estilos e idades. E isso é bom para a diversidade, complica o acesso ao trabalho, porque somos muitos, mas é sobretudo bom. Acho que o único alinhamento é entre os bons e os maus atores, e mesmo nessa categoria às vezes há boas e más surpresas.

Z: Considera-se um ator de teatro?
PS:
 Considero-me um criador de personagens, seja como ator, encenador ou escritor.

Z: Em que projetos está envolvido neste momento?
PS:
 Estou a escrever uma peça de teatro chamada “A Casa do Lugar de Cima”, que tenho andado a colocar em leituras com atores espetaculares (da televisão, do teatro e do cinema). Estou a preparar o lançamento de um projeto de promoção da cultura portuguesa chamado Gerador, onde trabalho mais como programador e diretor artístico. E para me divertir, escrevo entrevistas para a revista DIF, crónicas para o site pedrosaavedra.com e entro numa websérie chamada “A.Lusitanicus”.

Z: Já sabe quando regressa ao pequeno ecrã?
PS:
 Podem ouvir-me quase todos os dias nos intervalos das novelas, desde detergentes, medicamentos e até telecomunicações. E de vez em quando faço algumas participações especiais.

Z: Que personagem ainda lhe falta interpretar?
PS:
 A próxima (sorriso).

Perguntas Rápidas:
Maior Vício… Postar fotos parvas no Instagram
Livro/Filme/Música/Série Favoritos… Dicionário Khazar de Milorad Pavic, Dogville de Lars Von Trier, Andrew Bird, The Walking Dead e Vikings
Na TV não dispenso… Diretos
A pessoa que mais admiro é… A minha mulher
Não vivo sem… A minha mulher
Não saio de casa sem… Fechar a porta (porque nem sempre a minha mulher pode vir comigo)
Um dia corre bem quando… Acordo quando acordar

Z: Pergunta Final: A sua vida dava uma novela porquê?
PS:
 Porque todas as vidas, por mais banais que sejam, davam uma novela. A novela da minha vida passaria na RTP2 algures depois das 2h da manhã. Agora se me tivesses perguntado se a minha vida dava um livro…

Pode comentar a entrevista no Fórum Zapping ou no Facebook!

Entrevista: Ricardo Neto
Revisão: Margarida Costa

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close