RTP1 transmite clássicos do cinema português : “A Canção de Lisboa” e “O Pátio das Cantigas”.

RTP-Memória-logo

Na semana em que se celebra o Dia de Portugal, Camões e das Comunidades, os casamentos de Santo António e as Marchas de Populares da cidade de Lisboa, a RTP1 transmite, na próxima quarta-feira (dia 10) e no próximo domingo (dia 14), dois dos mais icónicos filmes portugueses de todos os tempos: “A Canção de Lisboa” e “O Pátio das Cantigas”.

Quarta-feira, 10 de junho, às 14h15: “A CANÇÃO DE LISBOA”

Vasco Santana, Beatriz Costa e António Silva na mais admirável, inspirada e irresistível comédia portuguesa de sempre.

Vasco Leitão, estudante de Medicina em Lisboa, vive da mesada de umas tias de Trás-os-Montes que nunca vieram à capital e o consideram um excelente aluno. Porém, Vasco prefere os retiros de fado, os arraiais, os bailes e as mulheres bonitas. Especialmente Alice, uma costureira do Bairro dos Castelinhos, o que não agrada ao seu pai, o intratável alfaiate Caetano, que conhece bem o rol das dívidas do Vasco e a sua vida de boémio. Um dia, o Vasco chumba no exame, é posto pelo seu senhorio na rua e, para cúmulo, aparecem as tias decidem vir à capital.

Cottinelli Telmo é aquilo que se pode chamar um caso singular do Cinema Português. Arquiteto de formação, assina o primeiro filme sonoro em Portugal, que é também a sua única longa-metragem, já que morreu prematuramente.

“A Canção de Lisboa” é ainda a primeira grande comédia populista do cinema português, o género de maior sucesso de sempre em todo o cinema nacional, e hoje continua a ser aclamado como um filme de culto. Dos diálogos inspirados ao humor irresistível, onde a tradição da Revista e a comédia de costumes se fundem de forma notável, “A Canção de Lisboa” é, sem exagero, um dos mais célebres e admiráveis filmes portugueses de sempre, a que não é alheio o talento de um elenco portentoso com o mítico trio Vasco Santana/Beatriz Costa/António Silva à cabeça.


Domingo, 14 de junho, às 15h30: “O PÁTEO DAS CANTIGAS”

Um típico bairro lisboeta por ocasião das festas dos Santos Populares, através de um fabuloso jogo de equívocos e duplos sentidos numa comédia inesquecível, com Vasco Santana, António Silva e Ribeirinho.

Num típico pátio lisboeta, por altura das festas dos Santos Populares, um punhado de gente simples vive o seu quotidiano, os seus sonhos, desilusões, paixões, ciúmes e alegrias numa atmosfera quase encantada.

Alfredo é um bom rapaz cujo irmão Carlos, um estouvado, namora a frívola Amália. A irmã desta, Suzana, ama por sua vez Alfredo. Narciso, o pai de Rufino e seu sócio na leitaria do bairro, é um bêbado crónico e um virtuoso da guitarra. Rosa, uma bem disposta viúva que vende flores, é por sua vez cortejada por Narciso e pelo intratável e arrogante Evaristo, o merceeiro, pai da invejosa e mimada Celeste. A rivalidade entre Narciso e Evaristo vai ao rubro numa noite de bailarico no pátio que termina numa autêntica batalha campal. Por fim, tudo se compõe entre os vários pares amorosos e no pátio a vida segue serenamente.

“O Pátio das Cantigas” de 1941, é uma das mais célebres e amadas comédias populistas do cinema português. Ribeirinho, Lopes Ribeiro e Vasco Santana captaram e registaram com humor e sensibilidade toda a atmosfera lisboeta, bairrista e popular por ocasião das festas dos Santos Populares, a partir de um punhado exemplar de personagens tipificadas, envolvidas nas suas querelas, confrontos, desejos pessoais e num primoroso jogo de diálogos, com duplos sentidos e um irresistível sabor revisteiro. Tudo isto, servido por uma realização discreta e eficaz num filme que conta com gaffes memoráveis, como o de Vasco Santana regressando a casa bêbado e tentando obter lume de um candeeiro da via pública, que lhe vai servir de “guia” até chegar à cama.

Mas o que há de mais notável em “O Pátio das Cantigas” é sem dúvida o espantoso jogo da representação, do mau génio e arrogância de António Silva às atribulações do tímido Ribeirinho, passando pelas calinadas, verbais e melódicas, de Laura Alves e, acima de tudo, pela alegria ébria e pela insolência provocadora de Vasco Santana.

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close