“Sol de Inverno”: 30 de setembro a 06 de outubro

Anterior1 de 6Seguinte

SDI BannerEsta semana em “Sol de Inverno”
(30 de setembro a 06 de outubro)

14º Episódio

Andreia consegue persuadir Filipa a ajudá-la a abortar, recebendo da agente a garantia de que os comprimidos que lhe vai arranjar, são os mesmos que dão nos hospitais para a interrupção voluntária da gravidez. Andreia está determinada e assume que se a relação com Eduardo já está por um fio, com um filho no meio ainda ficará pior. Para além desse argumento de peso, ainda lembra a Filipa que vai receber uma generosa comissão e diz-lhe que telefone para a Chiffon assumindo que o trabalho é seu. A agente combina levar-lhe o medicamento a casa, pois deve tomá-lo e deitar-se, prevendo que terá cólicas muito fortes.

Benedita avisa Eduardo de que está a correr na internet uma campanha contra a Boheme por ter usado peles de animais na confecção dos sapatos. Ele desvaloriza o problema, desconhecendo que se trata de uma campanha orquestrada por Sofia, acrescentando que aquilo é coisa dos radicais dos bichos e que a melhor estratégia é o silêncio. A secretária alerta-o para o facto da marca poder ser afectada, uma vez que os comentários que já leu não são nada bons para a Boheme. Eduardo responde com arrogância que ela em vez de estar no facebook devia era estar a trabalhar. Benedita não gosta da observação e continua a olhar para o computador.

Teresa está de saída para o hospital e mostra-se receosa por causa da cirurgia. A irmã e a mãe dão-lhe a coragem de que necessita para ultrapassar mais uma etapa no combate à doença. Margarida afiança que fazer hemodiálise através de uma fistula é muito mais seguro do que com um cateter. Laura acrescenta que até a fistula é uma situação provisória até que faça o transplante. Teresa espera que possa encontrar alguém na família que seja compatível com ela.

Simão fica incrédulo, depois de ouvir Salvador contar-lhe que a mãe o impediu de ir morar com Matilde na casa que queria. Simão concorda que Laura foi longe demais e Salvador revela ao irmão que pretende regressar a Londres mas que antes gostava de levar Matilde a um destino romântico para a lua-de-mel. Por seu turno, Simão confessa que gostava de fazer o mesmo com Nuno, desde que ambas as famílias aceitassem a sua relação. Salvador lembra que apesar de Laura não se ter oposto à sua escolha, não gostou que ele se tivesse assumido publicamente como gay. Os irmãos seguem juntos para o hospital, para darem apoio a Teresa que deve estar a sair do bloco operatório. Ambos estão preparados para mais um embate com a mãe.

Sofia olha com agrado o resultado da sua campanha contra a Boheme e Joana faz-lhe notar que até já está uma manifestação marcada em defesa dos animais. A tia comenta com agrado que estava a precisar de boas notícias. Beatriz estranha vê-la ainda em casa mas Sofia esclarece que a entrevista de emprego é só à tarde, acrescentando que desta vez a conseguiu sozinha sem a ajuda de Manel, que reconhece ser um bom amigo. Joana, sempre com o veneno na ponta da língua, comenta que a tia ainda agora voltou de Moçambique e já arranjou companhia, ao contrário da mãe que continua sozinha. Beatriz fica desconfortável com os comentários da filha e retira-se envergonhada. Joana diz que não é normal que o pai tenha morrido há tantos anos e a mãe continue sozinha. Sofia opta por não dizer nada.

Andreia toma os comprimidos que Filipa lhe arranjou para abortar. Quando se despede da agente, lembra-lhe que tem de guardar segredo, principalmente de Eduardo e que este aborto foi tão espontâneo como os dois anteriores. Filipa promete remeter-se ao silêncio.

Isabel e Lurdes ficam muito nervosas, quando não encontram a câmara de filmar que deixaram no balneário da fábrica para apanharem Rita e Fábio juntos. Lurdes vai pelo corredor e murmura que não pode ser despedida porque já basta que Jacinto não tenha trabalho. Rita aparece-lhes à frente com a câmara de filmar na mão e prova que ela pertence a Lurdes, mostrando o vídeo que Artur fez no aniversário da mãe, em que aparece a cantar os parabéns na companhia do pai. Rita afirma que os dias de Isabel e Lurdes na fábrica terminaram e pergunta com malícia se Horácio já terá chegado à fábrica, insinuando que se vai queixar delas. Isabel insiste que a culpa foi toda sua. Fábio intervém e diz que não quer que alguém seja despedido mas reduz-se à sua insignificância quando Rita, com maus modos, o obriga a ir para o armazém. A chefe de linha vira as costas às duas operárias e atira a câmara para um caixote do lixo. Lurdes vai apanhá-la e vai murmurando muito aflita que bem tinha dito que aquela ideia ainda ia dar mau resultado.

Dulce entra na cozinha a cheirar um molho de alecrim e recrimina Carlos por estar a comer outra vez. Ele arranca uma gargalhada à mãe ao dizer que um corpinho daqueles não se cria só com um pequeno-almoço. Carlos conta que a família Aragão ainda está no hospital a aguardar pelo final da cirurgia de Teresa. Andreia vai beber água à cozinha e informa que não almoça porque se vai deitar, não querendo ser incomodada. Carlos começa a fazer contas de cabeça por perceber que a casa está completamente vazia mas Dulce avisa que nem pense em ir deitar-se na sala a ver televisão. Ele assegura à mãe que era incapaz de fazer tal coisa.

Matilde olha para o computador e conta a Mariano que a campanha anti-Boheme já tem vídeos com animais a serem mortos e mostra-se convencida de que a marca vai ser prejudicada. O livreiro nota que para todos os efeitos o namorado dela já deixou a empresa mas Matilde contrapõe que, apesar de tudo o que Laura fez, Salvador não ficará indiferente se o negócio da família ficar manchado. Matilde confessa depois a Mariano que pode vir a ter de deixar a livraria se tiver de mudar-se, enquanto ele também reconhece que muitas vezes também tem o desejo de partir à aventura. A amiga insiste que ele deve declarar-se a Fátima mas Mariano acaba por perceber que foi atraiçoado pelo coração, pois os gostos dela são exactamente contrários aos seus.

Lé comenta com Tomás a manifestação que está marcada na internet contra a Boheme por causa da utilização da pele dos animais no fabrico de sapatos. Lá troca mensagens no computador enquanto diz com ironia que tem de falar com Salvador sobre o assunto. Tomás olha à volta à procura de Fátima, confessando que já sente alguma fome.

Carlos mostra a mansão da família Aragão a Fátima e finge que a casa é sua. Quando Dulce aparece, finge que ela é a sua governanta a quem trata carinhosamente por mãezinha, já que ela trabalha para a família praticamente desde que ele nasceu. Fátima está deslumbrada e mais fica, quando ele propõe que tomem uns aperitivos, informando que já tem o champanhe a gelar. Dulce chama-o à cozinha, tratando-o por menino, enquanto Fátima vai apreciando tudo o que está na casa, desde os sofás até ao mais insignificante pormenor de decoração.

Carlos entra na cozinha com a mãe a bater-lhe por ter insistido em levar a rapariga para dentro de casa. Ele roga à mãe que não lhe estrague o disfarce e cobre-a de beijinhos, convencendo-a a ajudá-lo. Nesse momento, o telemóvel de Carlos toca e ele vê que é Laura quem está a ligar. Embora fique nervoso, acaba por não atender e diz a Dulce que não era importante.

Laura fica zangada por Carlos não lhe atender a chamada esperando que ele tenha uma boa justificação para lhe dar. Margarida sugere que apanhem um táxi, pois Teresa não pode estar à espera do motorista, já que acabou de efectuar uma pequena cirurgia. Por ironia do destino, o primeiro táxi da praça é o de Adelino que ao perceber que a cliente é Laura, recusa transportá-la e às filhas. Laura ameaça o pai de Sofia, lembrando que ele não pode recusar clientes sem motivo. Ele vinca que motivos não lhe faltam e dá entrada a dois idosos no automóvel e arranca com eles. Laura anota a matrícula do táxi e, apesar de Margarida e Teresa a tentarem demover, garante que não vai perder a oportunidade de apresentar queixa contra Adelino.

Fátima está deslumbrada com o almoço que Carlos lhe proporciona e elogia o vinho que está a beber. O motorista assume um ar altivo e chama Dulce, pedindo-lhe que sirva mais vinho a Fátima. Dulce desempenha divertida a personagem de governanta e vai sorrindo á medida que serve à mesa. Fátima elogia agora a comida e Carlos apressa-se a dizer que naquela casa será sempre tratada como uma princesa. A dada altura, começa a ficar preocupado que Laura chegue a qualquer momento e desmascare a farsa que ele montou. Dulce percebe a aflição do filho e aconselha-o a devolver a chamada a quem lhe ligou, pois pode tratar-se de uma situação urgente. Carlos fica ainda mais nervoso e começa a apressar o fim da refeição, deixando Fátima desiludida, sem perceber a que se deve tanta pressa.

Sofia cumpre a entrevista de emprego com os dois sócios do atelier, homens estrangeiros que demonstram pouco interesse nos desenhos que ela apresenta, embora fiquem algo impressionados com o facto de ela ter sido uma das fundadoras da Boheme. Terminado o encontro, Sofia mostra-se pouco confiante em conseguir o lugar.

Andreia está no meio de várias cólicas abdominais quando Filipa lhe telefona para lhe perguntar como está a correr o processo abortivo. Ela conta que está com dores e que já teve uma ligeira perda de sangue, prometendo telefonar de volta quando estiver melhor e com o seu “problema” resolvido.

Margarida lembra a Teresa que o médico determinou que ela não faça esforços e diz à irmã que vai estar de olho nela. Laura entra na sala a dar um valente raspanete a Carlos por não a ter atendido e manda-o trocar o telemóvel quando ele diz que não recebeu qualquer chamada sua. Laura avisa-o que se voltar a acontecer algo semelhante, não será o telemóvel a ser trocado dessa vez. Carlos retira-se cabisbaixo, consciente de que esteve quase a perder o emprego. Laura, por sua vez, protesta contra o péssimo dia que teve e despede-se das filhas porque tem de passar na Boheme.

Beatriz critica Adelino por não ter transportado Laura, avisando que ela até pode fazer com que ele perca o emprego. O pai garante que no seu táxi é que aquela mulher não põe o rabo. Sofia apoia o pai e Beatriz grita-lhe para não envolver toda a gente na sua guerra. Sofia reage indignada, mas Adelino afirma que a irmã não teve a intenção de dizer que ela está a prejudicá-los. Joana pergunta à tia como correu a entrevista de emprego e ela assume que foi entrevistada por dois miúdos que nem sabiam quem ela era, parecendo-lhe que chegaram mesmo a duvidar quando ela afirmou ter fundado a Boheme. Joana acha que eles a vão contratar quando pesquisarem o seu nome na internet. Nesse momento Manel liga a Sofia e ela aceita ir tomar um café com ele. Beatriz comenta que afinal nem tudo corre mal e Sofia fica embaraçada.

Assim que Eduardo percebe que a mãe regressou à empresa vai ter com ela e depois de se inteirar de que a operação de Teresa correu bem, informa Laura de que existe um problema com a nova colecção de sapatos, que ele não considera um problema. Eduardo conta que as associações de defesa dos animais protestam na internet contra a utilização de peles verdadeiras na confecção dos sapatos. Laura desvaloriza a questão e o filho fica satisfeito por terem a mesma opinião, certo de que também ele agiu bem ao não dar importância ao assunto.

Jacinto mostra-se desanimado por receber tão pouco com os biscates que vai fazendo. Lurdes organiza as facturas e junta o seu salário ao pouco dinheiro que o marido ganhou, pedindo-lhe para ver quanto sobra depois de pagarem as contas fixas. Ele constata com mágoa que ficam de sobra apenas quarenta euros para gastar no supermercado. Artur acompanha a conversa dos pais e diz a Jacinto que tem cento e cinquenta euros para os ajudar nas despesas. Lurdes agradece mas Jacinto recusa dizendo que não são os filhos que têm de ajudar os pais, mas sim ao contrário. Artur aprecia e elogia os cintos que o pai fez e ele aproveita para dizer a Lurdes que já não tem mais pele. Ela mente sobre o ambiente da fábrica, escondendo que teme ser despedida por causa do incidente com Rita que descobriu ter sido ela a levar a câmara para a filmar na companhia de Fábio. O marido pede-lhe para ver se ela consegue arranjar mais desperdício de pele na fábrica para fazer mais cintos, contando a Artur que só pode começar a vender quando fizer os suficientes para ter uma banca devidamente licenciada na feira.

Lé prepara os cartazes para a manifestação contra a Boheme e grita a sua indignação pelo facto da empresa estar a usar as peles de animais para fazer os sapatos. Concha tenta acabar com a conversa ao ver que Salvador e Matilde acabaram de entrar. No entanto Lé continua a criticar e Salvador acaba por reconhecer que nunca concordou com o que a empresa fez. Matilde até reforça que o namorado se opôs à utilização das peles de animais nos sapatos. Salvador espera que a imagem da Boheme não seja muito afectada mas Lé deseja exactamente o contrário para ver se aprendem. Salvador e Matilde sobem para o quarto e Concha recrimina a mãe por ter sido tão dura. Lé assume que até travou muito do que queria dizer porque sabe que Salvador não tem culpa, mas dispara que a mãe dele devia ser esfolada como um coelho.

Sofia lamenta que Vasco já esteja a dormir quando chega a casa de Manel. Este assume que ficou chateado com o Filipe Antunes, por ter cedido à pressão de Laura para a contratar. Sofia conforma-se com o facto da proposta que ela fez ao empresário ser irrecusável e revela a Manel que foi ela que originou toda a polémica à volta da utilização das peles de animais no fabrico dos sapatos da Boheme. Sofia acrescenta que já está marcada uma manifestação à porta de empresa. Manel mostra desagrado e diz que ela está a fazer exactamente o contrário do que devia e insiste em que deve afastar-se de Laura. Sofia afirma que a rival está obcecada com ela e que por isso tem de combatê-la.

Laura chega às portas da empresa e depara-se com a manifestação promovida pelos activistas defensores dos animais. Carlos sugere-lhe que voltem para casa mas a patroa faz questão de não fugir e de entrar pela porta principal. Durante a sua caminhada é vaiada pelos manifestantes até que alguém mascarado lhe atira com tinta vermelha que finge ser sangue de animais. A polícia reage e começa a dispersar os manifestantes que correm pela rua, perseguidos por vários agentes. A certa altura, o manifestante que cobriu Laura de tinta cai e é detido. O polícia retira-lhe a máscara pondo a descoberto a cara assustada de Sofia, por estar na iminência de ser presa.

Anterior1 de 6Seguinte
Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn