"

Sucesso de audiências, “Gabriela” está de volta à televisão portuguesa

SIC

Gabriela

“Gabriela”, um dos maiores sucessos da teledramaturgia brasileira em Portugal, está de volta à nossa televisão.

Exibida na SIC, nas comemorações dos seus 20 anos, a trama adaptada por Walcyr Carrasco acumulou uma audiência média de 15.7% de audiência e 34,6% de share.

«Eu nasci assim, eu cresci assim e sou mesmo assim, vou ser sempre assim, Gabriela, sempre Gabriela». A música entrou no ouvido dos portugueses pela primeira vez no dia 16 de maio de 1977 e permanece ainda hoje no seu imaginário.

Para assinalar os 40 anos da estreia de “Gabriela, Cravo e Canela”, a primeira novela exibida em Portugal, o canal Globo vai exibir a versão de 2012, protagonizada por Juliana Paes e Humberto Martins.

A estreia de “Gabriela”, novela inédita no canal, acontece no dia 15 de maio, às 22h55, com exibição de segunda a sexta-feira.

 Inspirada num dos maiores clássicos do escritor Jorge Amado, a trama de “Gabriela” desenrola-se na  Bahia dos anos 20, tempo em que Ilhéus vive o apogeu da cultura do cacau. A pequena cidade foi levantada a ferro e fogo pelos coronéis que residem e mandam por lá, liderados por Ramiro Bastos (Antonio Fagundes), o representante do conservadorismo. Aparentemente sólida, essa hegemonia é ameaçada pela chegada do exportador carioca Mundinho Falcão (Mateus Solano), o progresso em pessoa.

Ao mesmo tempo, a cidade, dominada por uma moral conservadora, fica agitada com a chegada de Gabriela (Juliana Paes), uma retirante da seca que chega a Ilhéus à procura de emprego. E ela encontra uma posição no estabelecimento de Nacib (Humberto Martins), imigrante árabe dono do Vesúvio, bar mais conhecido do lugar, que procura desesperadamente por uma cozinheira. A ousadia e ingenuidade de Gabriela encanta Nacib, ou “moço bonito”, como a jovem passa a chamar o patrão.

Com cheiro de cravo e cor de canela, o corpo de Gabriela parece esculpido por mãos nada modestas. Traz a força da natureza no olhar e o balanço do vento no caminhar. A flor no cabelo é só para enfeitar, mas quando ela passa, a cidade para para olhar. Ela não tem culpa, mas ele não aguenta. É tanta cobiça…! Tantos convites de coronéis. Decide então casar-se com Gabriela e fazer dela uma dama respeitada na sociedade. Que desencontro! O que Nacib não percebe é que “certas flores são belas e perfumadas enquanto estão nos galhos, nos jardins. Levadas para um jarro, mesmo de prata, ficam murchas e morrem”. Ao prender um passarinho selvagem existe um risco iminente: um dia, quando estivermos distraídos, ele pode ver a porta aberta e voar.

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close