“A Teia”: Resumo dos próximos episódios

"

Episódio 99 (18 a 24 de março)

Jaime diz a Ricardo e Elvira achar impossível que Diana esteja viva e que queira prosseguir com a sua vingança. Ouvem barulho e Ricardo vai atrás de alguém, dizendo que só conseguiu ver que a pessoa estava toda vestida de preto e usava um capuz.

Todos estão amarrados na sala e Julie tenta ajudar Lara e leva uma coronhada na cabeça. Simão e Tiago entreolham-se preocupados por os carros de Lara e Valdemar estarem à porta do prédio. Simão consegue descobrir na oficina as chaves do prédio de Valdemar.

Vera diz a Mário estar segura que Mónica vai denunciar o resto da rede de contrabando, agora que foi detida. Mário recebe chamada de Tiago e Vera segue-o irritada.

Simão entra na casa de Valdemar, sendo imobilizado por Freitas e pelo seu homem. As luzes apagam-se, e quando se voltam acender vemos Tiago e Simão já com Freitas e o seu homem neutralizados.

Mário e Vera entram para prender os criminosos. Cláudia põe a mesa nervosa a pensar em Tiago, dizendo a Flor estar sempre com receio que lhe aconteça alguma coisa, apesar de ele já não estar na PJ.

Vera contém a sua fúria a ouvir Mário a agradecer a Tiago por o ter avisado do que se estava a passar.

Julie segue com Valdemar para o gabinete de Vera, aconselhando-o a somente responder às perguntas da inspetora.

Humberto conta a Lara que a história de Valdemar ter recetado droga de Freitas é verdadeira, estando Valdemar sob chantagem de Freitas para que ele não dissesse à polícia que sabia que Augusto tinha viciado o jogo de poker, o que o iria colocar como principal suspeito da morte de Augusto.

Valdemar conta a Vera tudo o que se lembra da noite em que Augusto morreu, assumindo que foi aos armazéns ter com ele para confrontá-lo por ele o ter enganado no jogo de poker, mas acabou por desmaiar quando ele o empurrou e não se lembra mais nada do que aconteceu.

Vera anui a Ricardo também ter voltado a receber mensagens do assassino tal como eles, mas apagou-as por ter mais com que se preocupar, avisando-o que não vai desistir de provar que Mónica pertencia a uma rede de tráfico de diamantes.

Mayra diz que várias lojas quererem rescindir contrato com os armazéns devido ao escândalo da morte de Leonor. Jaime irrita-se e diz a Mayra que ela ali não tem o direito de opinar.

Vera diz a Mário achar que Valdemar afinal não matou Augusto, assinalando que Simão teria muitos mais motivos para matar o pai.

Mário alfineta que Vera está com receio de perder o lugar para Tiago, admitindo já estar arrependido de o ter expulso da PJ e fica tenso por perceber que foi usado por Vera.

Valdemar conta à família que se viu forçado a colaborar com Freitas para ele não contar à polícia que sabia que Augusto tinha feito batota no jogo de poker, colocando-o em situação de ser o principal suspeito e sai desapontado por eles acharem que ele seria capaz de matar o seu rival.

Humberto anda às voltas pela oficina, com o receio de dizer mais do que deve à polícia sobre o envolvimento de Valdemar na morte de Augusto.

Simão vai falar com Lara e ela nega saber da história da batota de Augusto e enerva-se por Simão trazer à baila a história dela com Julie.

Simão sai e diz a Julie ter caminho livre para ficar com Lara e ela fica satisfeita.

Lara olha desolada mas em concordância para Julie a dizer-lhe que o namoro dela com Simão sempre esteve condenado por a mãe dele ter sido a principal responsável pela morte de António.

Vera interroga à vez os Seixas sobre o envolvimento de Valdemar na morte de Augusto.

Elvira passeia nos armazéns com Jorge, dizendo-lhe que aquele é o sítio perfeito para roubarem dinheiro, estando ansiosa para que a madame a readmita de volta ao gangue. Jaime envolve-se com a rapariga e a televisão liga-se acidentalmente, mostrando a entrevista que Simão deu a falar da morte de Leonor, sobrepondo-se de seguida uma fotografia de Jaime.

Rapariga olha amedrontada para Jaime e sai porta fora. Jaime recebe mensagem do assassino a perguntar se gostou da surpresa e troca um olhar tenso com Elvira.