“Nazaré”: Resumo dos próximos episódios

"

Episódio 173 (8 a 12 de junho)

Matias acaba tudo com Sofia para a proteger de Heitor.

Matias e Toni aceitam o namoro de Ismael e Glória.

Bernardo e Nazaré descobrem que foi Ismael que matou Félix.

Em casa dos Carvalho, Matias enfrenta Heitor e diz que não pode obrigar Sofia a ficar com ele. Heitor, em tom de ameaça, volta a avisar Matias que, ou deixa Sofia, ou Sofia morre.

Já sem a presença de Heitor, Matias conta a Sofia e a Nuno do “seu encontro” com Heitor e diz que Heitor o ameaçou que matava Sofia caso ele não se afastasse dela. Sofia não percebe como é que isto aconteceu, mas Carol admite que foi ela que avisou o pai e que quer Matias fora da vida delas.

Nazaré e Bernardo analisam os bilhetes e a falha de impressão e chegam à conclusão que, se conseguirem descobrir a quem pertence a impressora, descobrem o assassino de Félix. A tensão é cada vez maior.

Bárbara chega a casa e Duarte confronta-a com o telefonema de Nazaré e avisa Bárbara que, por ser sua mulher, não tem o direito de lhe mentir nem de invadir a sua privacidade. Começam a discutir e Duarte pergunta a Bárbara pelos documentos da Atlântida. Bárbara diz que se esqueceu de os trazer para casa.

Sofia, ainda em choque com a atitude de Carol, tenta explicar à filha que Heitor é perigoso e que as colocou em perigo. Carol não consegue enfrentar a realidade e diz à mãe que, caso ela fique com Matias, que ela quer ir embora com o pai.

Verónica, sedutora, pede a nuno que lhe conte qual é o plano quando apanhar Heitor. Nuno, aproveitando para a testar, começa a contar-lhe pormenores sórdidos do que pretende fazer com Heitor até que Verónica o interrompe e diz que não quer saber nada apenas quer que ele trate do assunto o mais rápido possível.

Sofia vai ter com Matias e, ainda que muito contrariado, Matias cede à chantagem de Heitor e acaba tudo com Sofia numa tentativa frustrada de a tentar proteger contra a ira do ex-marido.

Na Quinta, Bárbara chega e atira com os documentos para perto de Duarte. O marido diz-lhe que não precisava de ter saído tão tarde para os ir buscar mas Bárbara, magoada, diz a Duarte que lhe quer provar que o ama e que faz tudo por ele.

Mais tarde, Verónica vai ter com Duarte à Quinta e tenta persuadi-lo a vender-lhe a empresa. Duarte não cede e diz que nunca lhe vai dar esse gosto. Verónica, com desprezo, diz-lhe que se quer continuar a deixar a mulher afundar a empresa é com ele e que terá de arcar com as consequências.

Laura e Cris vão a casa de Verónica e pedem para ver Yara. Verónica, na sua postura habitual, começa a tentar escapar com a bebé para que eles não a vejam mas Érica, num acesso de raiva, “arranca” a filha dos braços da mãe e deixa que Cris lhe pegue ao colo.

Glória acaba de chegar a casa do restaurante estafada, depois de um dia de trabalho. Qual não é a sua surpresa quando encontra Ismael e os filhos. Toni e Matias dizem à mãe que aceitam a sua relação com o Ismael, mas com regras. Na felicidade de Glória.

Duarte, já mais calmo, fala seriamente com Bárbara e pede-lhe que lhe dê razões para confiar nela pois, quando estiver preso, será Bárbara a dirigir a empresa. Bárbara fica surpreendida com a proposta e garante a Duarte que não irá preso.

No Mercado, Glória comenta com Dolores que não vai ceder e não pensa vender a sua banca. De repente, é surpreendida por um ramo de flores enviado por Ismael. Glória lê o bilhete e Nazaré, que estava perto dela, repara na falha de impressão semelhante aos bilhetes que Laura lhe entregou. Nazaré pede a Glória que lhe mostre os restantes bilhetes que tem de Ismael, e visivelmente nervosa, sai a correr enquanto liga a Bernardo.

Bárbara encontra-se com Toni, em sua casa, e entrega-lhe o frasco para a recolha. Toni diz a Bárbara está disposto a ajudá-la, mas só pelo dobro do dinheiro que ela lhe oferece.

Nazaré e Bernardo vão ao encontro de Ismael, ao Lar, e confrontam-no com as falhas de impressão nos bilhetes que ele envia a Glória e nos bilhetes anónimos que envia para a polícia. Ismael ainda tentar contrariá-los, mas acaba por admitir que foi ele o responsável pela morte de Félix.