"

QUESTÃO Z: Acha a segunda linha de ficção da SIC uma boa aposta?

QUESTÃO Z: Acha a segunda linha de ficção da SIC uma boa aposta?

A 18 de maio de 2015, o horário nobre da SIC foi ‘abalado’ com a chegada de “Poderosas”, estreando, assim, uma segunda linha de ficção portuguesa no canal de Carnaxide. Mas será que uma segunda linha de ficção da SIC é uma boa aposta?

Sete é o número de comentadores que temos esta semana. Os atores João Maneira (‘Mar Salgado’), Helena Isabel (‘Jardins Proibidos’), Vítor de Sousa (‘Água de Mar’), Nuno Távora (‘Mulheres’), Eduardo Frazão (‘Os Filhos do Rock’) e o realizador Sérgio Graciano. Pedro Marta é o membro convidado desta semana.

1-João-ManeiraJoão Maneira, ator de ‘Mar Salgado’:

Claro que sim! Um canal não pode ter apenas uma linha de ficção! Acho bem a SIC apostar numa segunda! E a aposta nas novelas brasileiras também! Segunda linha serve não só para dar estrutura ao canal como também para entreter o público! Com mar salgado e na segunda linha Império não tinha o mesmo impacto que tem agora com as Poderosas! A produção portuguesa é boa e cada vez ta melhor! A SIC fez uma grande aposta juntamente com a Globo e a SP televisão nesta novela (mar salgado) e como tal vemos os resultados das audiências que são os melhores dia após dia Apostar na segunda linha com o mesmo orçamento é difícil mas os portugueses estão habituados a fazer bom com pouco! E na novela Mar Salgado tivemos um bocadinho mais e o resultado foi maravilhoso! Se apostarmos realmente nas novelas, com certeza iremos fazer bons projectos! Tanto na primeira, como na segunda linha.

 

2-Helena-IsabelHelena Isabel, atriz de ‘Jardins Proibidos’:

Claro que é uma boa aposta. Tanto para o espectador como para a estação. Já temos provas de que as novelas portuguesas conquistaram o nosso povo, definitivamente, em detrimento das brasileiras. Por isso acho de interesse para todos que a produção da ficção nacional aumente. A única coisa para que chamo a atenção, é para os conteúdos. Penso que tem que haver uma maior preocupação tanto com o lado técnico como com o artístico. Não podemos continuar a fazer mais do mesmo. Temos que inovar, senão corremos o risco de cansar o espectador. Até a Globo, reis da novela, o tem feito. Não esquecer que temos uma audiência jovem para conquistar. De resto, para nós actores, é muito bom. Viva a ficção nacional!

 

3-Vítor-de-SousaVítor de Sousa, ator de ‘Água de Mar’:

Acredito que sim! Temos Autores e Obras excelentes para serem dadas a conhecer ao público. E, em termos práticos, uma forma de dar trabalho a todas as equipas envolvidas. Venha a segunda linha de ficção da SIC!

 

4-Sérgio-GracianoSérgio Graciano, realizador:

Acho fundamental. Para além de significar mais produção falada em português, significa também mais trabalho para actores e técnicos. Bom, abrir mais uma linha de ficção significa que vamos poder ter acesso a mais séries e novelas e isso (especialmente para as novelas) significa mais uma conquista do formato num canal privado. A TVI tem assegurado a liderança baseada nas telenovelas e está mais que provado que é um formato que resulta, e não só por isso mas também, a SIC, decide apostar também forte numa segunda linha. Com os resultados da novela”Mar Salgado” (é líder do horário) é natural que se almeje um pouco mais.

 

5-Nuno-TávoraNuno Távora, ator de ‘Mulheres’:

Acho que está mais que provado a ficção portuguesa de qualidade é apreciada e valorizada por isso a aposta da SIC será sem dúvida bem aceite. E se souberem apresentar produtos de qualidade e diversidade na estética e no elenco (para não parecer que estamos a ver sempre a mesma novela) acredito que será uma aposta ganha.

 

6-Eduardo-FrazãoEduardo Frazão, ator de ‘Os Filhos do Rock’:

Parece-me muito interessante a aposta da SIC numa segunda linha de ficção. No fundo essa aposta já existia, mas não recaia em produtos nacionais. O que acontece agora é que há um reconhecimento, por parte do canal, na qualidade que os produtos nacionais têm estado a alcançar nos últimos anos. Para nós atores e técnicos da indústria é sempre boa esta aposta, porque para além de criar mais trabalho e de permitir ao público português conhecer mais artistas portugueses (actores, argumentistas, realizadores, etc) promove a indústria gerando mais trocas comerciais que apesar de tudo permitem a permanência das divisas em solo nacional. O investimento tem tido retorno, não só qualitativo porque os produtos têm cada vez mais qualidade, mas também financeiro porque o público reconhece esse investimento e essa aproximação pelas audiências que tem demonstrado. Ora se há espaço, se há “matéria humana”, se as condições estão criadas só faz sentido investir em produtos nacionais, que se podem inclusivamente tornar objetos de trocas, não só financeiras com televisões de todo o mundo, mas também artísticas, técnicas e humanas. Se formos os primeiros a investir e a acreditar no que produzimos é mais fácil convencer outros a fazer o mesmo. Para além de que está “competição” saudável de produtos nacionais levará, parece-me a uma inevitável busca de melhorar e inovar qualitativamente. Parabéns SIC pela aposta.

 

7-Pedro-MartaPedro Marta, colaborador do Zapping TV:

Com toda a pompa e circunstância, a SIC anunciou a sua reviravolta no horário nobre: uma segunda linha de ficção portuguesa, com a estreia de “Poderosas”. Acho que não fez muito sentido fazer a aposta a esta altura do ano, uma vez que o verão está a chegar e o consumo televisivo começa a baixar (e isso reflete-se, por vezes, na líder “Mar Salgado”). Faria mais sentido se fosse em setembro com a estreia de duas novelas “Poderosas” e “A Cor do Destino”. No entanto, aplaudo a aposta de Carnaxide numa segunda linha, tirando destaque às tramas brasileiras.

 

Por esta semana, o Questão Z despede-se mas com a premissa de uma edição especial já na próxima semana com a pergunta: Fará sentido recuperar o programa “Praça da Alegria”?