"

Telescola da RTP Memória e RTP2: O que é e quando começa

Telescola

Logo da Telescola, so século XX, na RTP1

A “Telescola” está de volta, quase duas décadas depois de ser extinta e várias décadas depois de ser efetivamente útil.

Devido ao surto de Croronavírus e com as aulas interrompidas, o Ministério da Educação arranjou uma solução que passa pelo ressurgir de algo bem conhecido por pessoas acima dos 40 anos. A decisão foi tomada e conhecida hoje após o Conselho de Ministros.

As aulas da nova “Telescola” serão transmitidas através do canal da RTP Memória. O secundário ainda poderá ter aulas presenciais e exames poderão ser feitos em pavilhões.

Os alunos do ensino básico vão retomar as aulas do terceiro período no próximo dia 14 de abril, mas sem aulas presenciais. Os programas vão ser transmitidos através da televisão a partir do dia 20 de abril.

A decisão foi tomada esta quinta-feira na reunião do Conselho de Ministros, sendo «definitiva», afirmou o primeiro-ministro, sublinhando que o ensino à distância não «significa ausência de ensino, nem o desaparecimento da escola», frisou António Costa.

De acordo com o primeiro-ministro os conteúdos das aulas já estão estruturados. «Teremos atividades letivas todos os dias úteis da semana, por blocos de dois anos, começando de manhã sucessivamente do primeiro ano até ao 9º ano mais ao fim da tarde», esclareceu o chefe do Governo.

RTP2

RTP2

António Costa adiantou ainda que «haverá também um conjunto de atividades de apoio pedagógico para as crianças do pré-escolar na RTP2, mas terá uma natureza distinta destes conteúdos pedagógicos estruturados cuja emissão se iniciará no próximo dia 20», explicou na conferência de imprensa no final da reunião do Executivo.

As aulas não serão presenciais e também «não haverá provas de aferição, nem exames do nono ano», adiantou o primeiro-ministro, acrescentando que «mesmo à distância a avaliação vai existir e que naturalmente os docentes terão em conta o percurso educativo dos alunos e que o acesso digital não é igual para todos», garantiu.

Quanto ao ensino secundário, as aulas presenciais poderão ainda existir, mas a decisão será tomada mais tarde e apenas para os alunos do 11º ano e 12º ano.«Neste momento ainda não estamos em condições de dizer uma data indicativa», avançou o primeiro-ministro, indicando que a atividade letiva vai ser estendida até ao dia 26 de junho.

«Até estar tomada uma decisão sobre as aulas presenciais, os alunos do secundário manterão o ensino digital», avançou António Costa. Mesmo que as aulas presenciais sejam retomadas, «serão sempre muito limitadas», indicou o primeiro-ministro, acrescentando que «só abrangerão os alunos do 11º e 12º anos, permanecendo os dos 10º ano em regime de ensino à distância. Só haverá aulas presenciais das 22 disciplinas que são sujeitas a exame específico para acesso ao ensino superior continuando as restantes a ser ministradas à distância».

Os exames poderão ocorrer em pavilhões ou outras estruturas para manter o distanciamento social para evitar a propagação da doença. Devido às diferenças nos conteúdos dados em cada escola, os alunos poderão escolher grupos de perguntas a que vão responder, sendo que «têm um número mínimo de respostas», explicou. Todas as pessoas que entrem nas escolas nestas circunstâncias terão obrigatoriamente que usar máscara que será distribuída pelo Ministério da Educação.