[Raio Z] Entrevista a Luís Ganito: “Tenho a sorte de fazer o que gosto e não deixo de ser quem sou só por ser reconhecido”


 

Ele foi um dos prodígios da série ‘Conta-me como Foi’ e hoje brilha em ‘O Beijo do Escorpião’. Luís Ganito fala-nos da sua carreira e objetivos.
Fique a conhecer melhor este, pequeno, grande ator em mais um Raio Z!

Zapping: A série ‘Conta-me como Foi’ foi reconhecida como a melhor ficção de sempre na gala Prémios Lumen da RTP. Como encarou este reconhecimento?
Luís Ganito: Foi sem dúvida uma grande aposta da RTP. Foi muito bom ver reconhecida a série que me trouxe ao pequeno ecrã. Foram uns anos muito bem passados junto da família do ‘Conta-me Como Foi’. Foram todos excecionais comigo. Foi o fruto do trabalho de uma grande equipa, que trabalhou como uma verdadeira família.

Z: Construir uma criança numa série de época foi um desafio?
LG: Foi um grande desafio, ainda para mais era o meu primeiro trabalho na TV e eu tinha apenas 9 anos, mas tive ao meu lado ajudas preciosas, que me ensinaram e me ajudaram imenso.

Z: Contracenou com atores com Rita Blanco, Miguel Guilherme ou Catarina Avelar. Que conselhos recebeu ao longo da série?
LG: Ao longo da série, todos os atores me ajudaram bastante, mas principalmente os que referiu. Trabalhávamos juntos, quase todos os dias, e éramos muito chegados. Deram-me vários conselhos muito importantes, um deles foi que não mudasse a minha maneira de ser só por ser ator, ensinaram-me que a vida de ator é difícil, porque num dia tens trabalho e no outro não tens, e que é necessário muito trabalho para conseguir os nossos objetivos.

Z: Como chegou ao elenco de ‘Conta-me como Foi’?
LG: Cheguei ao elenco do ‘Conta-me como Foi’ após 3 castings, conduzidos pela Patrícia Vasconcelos.

Z: A série foi renovada de temporada em temporada. Acha que faria sentido a série ter continuado por mais alguns anos?
LG: Foi uma excelente série que teve um êxito estrondoso. Poder-se-ia ter feito mais uma temporada ligada ao 25 de Abril, mas continuar durante anos… Não me parece… Brilhou quando tinha de brilhar.

Z: Está atualmente no elenco da novela ‘O Beijo do Escorpião’. O que podemos esperar mais da sua personagem?
LG: O Duarte é um miúdo introvertido, parece desligado do mundo, mas começa a demonstrar que está muito atento ao que o rodeia. Gosta muito do seu mundo e não abre mão do seu bem-estar. É um miúdo que não se deixa enganar facilmente.

Z: O Duarte foge das outras personagens que já fez. Dá-lhe mais gozo interpretar este tipo de personagens?
LG: Por ser um rapaz diferente de mim dá-me imenso gozo interpretar esta personagem, mas ao mesmo tempo tem no seu interior coisas nas quais eu me revejo.

Z: Apesar de estar neste momento na TVI, sente que a RTP ainda é a sua “casa”?
LG: A RTP foi o meu início, deu-me grandes oportunidades, pelas quais agradecerei sempre.

Z: Ao longo dos anos temos acompanhado o seu crescimento. Como lida com a fama?
LG: Continuo a ser a pessoa que sempre fui, tenho a sorte de fazer o que gosto e não deixo de ser quem sou só por ser reconhecido. Sou eu próprio.

Z: Além da novela, está envolvido noutros projetos?
LG: Neste momento contínuo noutra área da qual sou fã: a dobragem de vozes. Dá-me imenso gozo encarnar personagens de desenhos animados.

Z: Perguntas Rápidas:
Maior Vício: Basquetebol, sem qualquer dúvida. Paixão mesmo!
Livro: ‘A Última Testemunha de Auschwitz’
Filme: ‘Pearl Harbour’
Música: Oiço de tudo um pouco, música mais comercial, por aí.
Série: ‘Walking Dead’, cativou- me logo do início e não perco um único episódio.
Na TV não dispenso: ui, as notícias do desporto (sou fanático por desporto, adoro actividade física, não dispenso) e quando começam tem que haver silêncio onde estiver.
A pessoa que mais admiro é: não é uma, mas sim duas. Os meus avós são as pessoas que mais admiro, são os meus ídolos.
Não vivo sem: a minha família. Podem ser eles que me “partem a cabeça”, mas eu sei lá no fundo que querem o melhor para mim e que me apoiam em tudo o que é importante para mim.
Não saio de casa sem: o telemóvel, terrível vício.
Um dia corre bem quando: quando durmo até tarde, mas não muito tarde, senão não aproveito o dia. Tenho um bom dia de trabalho, fico satisfeito com a minha prestação nas cenas. Passear com a namorada. Almoçar em casa dos meus avós, seja qual for a comida, é sempre divinal. Não podia faltar um bom treino de basquetebol no grande Glorioso em que no final diga “fogo correu mesmo bem”. Estar no treino é também estar com mais uma família: a minha equipa. Para acabar o dia um jantar em família, brincar com a minha irmã e passarmos um tempo em família. Falamos de tudo. Somos uma família muito unida e tenho muito orgulho.

Z: Pergunta Final: A sua vida dava uma novela porquê?
LG: Sou demasiado novo para poder dizer que a minha vida daria uma novela. Posso já ter passado e vivido muita coisa, vivido em muitos ambientes diferentes, que raro é o miúdo da minha idade que tenha vivido, mas sei e admito que sou imaturo, sou muito criança ainda, tenho tanto para crescer, tenho tanto que viver ainda. Mas se desse para uma novela seria uma novela muito corrida, porque a minha vida é sempre a “abrir”!

Entrevista de Ricardo Neto
Revisão de Inês Silva

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close