[Raio Z] Entrevista a Maria Vieira: “Acho que a arte não deve ser julgada em pódios, pois não deve ser encarada como uma competição!”


Nascida a 2 de março de 1957, Maria estreou-se no extinto Teatro Adóque.
Conhecida, hoje em dia, como uma das maiores humoristas portuguesas, Maria Vieira conta com várias participações em séries e filmes de renome.
‘A Gaiola Dourada’, ‘Pensão Estrelinha’, ‘Herman SIC’, ‘Negócio da China’, ‘Aquele Beijo’, entre tantas outras produções, compõem um currículo extenso e variado daquela que é apelidada por muitos de “parrachita”.

Divertida e animada, é Maria Vieira em mais um… Raio Z!

Zapping: Está atualmente no ar na série da RTP, ‘Os Filhos do Rock’. Como foi integrar este projeto?
Maria Vieira: Foi como um prazer elevado ao quadrado. “Os Filhos do Rock” é uma das melhores séries exibidas na televisão portuguesa, nos últimos anos, e fazer parte do elenco da mesma é um privilégio para qualquer ator.

Z: A série passa-se nos anos 80. Teve de fazer algum trabalho de composição para a sua personagem?
MV: O ator é, antes de mais, um observador. As pessoas reais e as suas vidas genuínas servem sempre de inspiração à criação dos meus personagens, sobretudo neste registo dramático que me propuseram em “Os Filhos do Rock”. Eu observo, absorvo e tento recriar aquilo que vejo nos outros; essa é a minha profissão.

Z: A RTP tem apostado cada vez mais nas séries. Acha que são um formato muito mais apelativo quer para público, quer para os atores?
MV: Eu gosto de ver séries de qualidade e, como atriz, prefiro fazer esse tipo de trabalho a qualquer outro, mas a ficção é sempre fundamental em todas as suas formas, por isso seja em formato de séries, novelas ou sitcoms a ficção é sempre bem vinda

Z: Ganhou recentemente o prémio Lumen de Humor na Gala da RTP. Como foi receber esta distinção?
MV: Eu acho que a arte não deve ser julgada em pódios como, por exemplo, o desporto, pois a arte não deve ser encarada como uma competição. Mas reconheço que os prémios têm, no entanto, o mérito de distinguir o bom trabalho dos atores, de todos eles, tanto aqueles que os ganham hoje, como aqueles que os ganharão amanhã… Mas é claro que me senti muito grata e muito feliz pelo reconhecimento do meu trabalho. Se lhe dissesse o contrário, estaria a mentir.

Z: Sente que as pessoas ainda olham para si como a “parrachita”?
MV: Espero bem que sim! A “Parrachita” foi um “nickname” inventado por mim para compensar a dificuldade que eu tenho em memorizar o nome das pessoas; com o passar dos tempos, eu própria virei a “Parrachita” e, hoje em dia, até o público em geral me trata por essa carinhosa alcunha.

Z: Olha para o Herman como um exemplo?
MV: Eu olho para o Herman como um colega de profissão com quem trabalhei alguns anos e com o qual fiz alguns dos mais importantes e memoráveis programas na televisão portuguesa, e neste caso estou a lembrar-me, por exemplo, de “Humor de Perdição”, “Casino Royal” ou “Crime na Pensão Estrelinha”. Ao longo da minha carreira tenho trabalhado com gente tão talentosa e distinta como o Miguel Falabella, o Mário Viegas, o Carlos Avilez, o Filipe Lá Féria, o Fernando Gomes, o Rúben Alves, entre muitos outros; o Herman, obviamente, faz parte desse grupo de gente especial com quem tive o privilégio de trabalhar.

Z: Fez parte de duas produções da Rede Globo, a maior produtora de novelas do Brasil. Como foi essa experiência?
MV: Eu fiz duas novelas na Rede Globo: “Negócio da China” em 2008/09 e “Aquele Beijo” em 2011/12. A Globo é a terceira maior estação de televisão do mundo e é a maior produtora de novelas do planeta. Trabalhar naquela estação, com aqueles atores que são conhecidos e respeitados um pouco por todo o mundo (é preciso não esquecer que as novelas da Globo passam em mais de 80 países), é um privilégio muito especial e é algo que qualquer ator gostaria, um dia, de alcançar. Sou reconhecida e respeitada pelo povo brasileiro, fui 3 vezes premiada com a famosa “Nota 10” da Patrícia Kogut, do Jornal “O Globo”, por isso, para mim, trabalhar na TV Globo, foi das melhores coisas que poderiam ter acontecido na minha carreira profissional.

Z: Trabalhar no estrangeiro é um projeto a curto prazo?
MV: Recentemente fiz um filme francês – “A Gaiola Dourada” – que foi um dos maiores sucessos europeus dos últimos 10 anos, tenho, como já referi, um percurso profissional significativo e muito bem sucedido no Brasil e, obviamente, continuo empenhada na minha carreira internacional. Até porque o mercado nacional é muito reduzido e como tal é preciso aproveitar todas as oportunidades que nos chegam de além fronteiras.

Z: Já terminou as gravações de ‘Os Filhos do Rock’. Já tem um novo projeto em televisão?
MV: Para já, e no que diz respeito ao teatro, continuo no Politeama, com “A Grande Revista À Portuguesa”. Antes do verão começarei a rodar dois filmes: um brasileiro – “Caiu Na Rede É Peixe” – dirigido pelo André Pellenz, onde irei contracenar com atores muito prestigiados no Brasil, como o Fernando Caruso, o Victor Sarro e o Cláudio Torres Gonzaga; e outro português, do jovem realizador André Badalo, onde serei uma das protagonistas. Na televisão existe um projecto do qual ainda não posso falar porque nada está definido…

Z: Perguntas Rápidas:
Maior Vício… não tenho vícios
Livro/Filme/Música/Série Favoritos… “o Jardim dos Perversos” de Fernando Rocha, que por acaso é o meu marido! Mas só por acaso… / “Confortably Numb” dos Pink Floyd / “Os Filhos Do Rock”
Na TV não dispenso… na TV dispenso quase tudo!
A pessoa que mais admiro é… o meu pai.
Não vivo sem… o meu cão.
Não saio de casa sem… roupa!
Um dia corre bem quando… estou numa ilha tropical, algures na Tailândia, na Malásia ou na Indonésia, a fazer mergulho, ou a ler um livro à sombra de um coqueiro, enquanto beberico uma Margarita na companhia do meu marido e… Do meu cão!

Z: Pergunta Final:
A sua vida dava uma novela? Porquê?
MV: A minha vida dava uma novela brasileira porque novela portuguesa eu nunca fiz…

Entrevista de Ricardo Neto
Revisão de Margarida Costa

Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

  • Mike Mekanico

    Concordo com a opinião dela sobre Os filhos do Rock.É uma serie que não fica atrás de muitas americanas.Antes pelo contrario.A intrepretação dela tambem é excelente.

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close