"

«Posso vir a ter consequências, mas estou de consciência tranquila», Rita Pereira fala do ‘caso Facebook’

Rita Pereira Instagram 4

Rita Pereira foi notícia na semana passada pelo desabafo que teve na sua página pessoal de Facebook. A atriz teve de esperar várias horas para gravar e enquanto estava em fila de espera, atualizou a rede social.

«Será que são incompetentes?» questionou Rita no Facebook. A atitude valeu-lhe uma leve advertência da Plural, mas um valente puxão de orelhas de Alexandra Lencastre, via imprensa (ler aqui).

Por enquanto a atriz não considera a Nanda de “Destinos Cruzados” a sua melhor personagem de sempre. Ao suplemento IN do Jornal de Notícias, Rita lembra: «Sempre disse que a Estrelinha de “Doce Fugitiva” era a minha preferida, mas neste momento consegui encontrar uma personagem que me deixou indecisa. Tenho tido dos melhores feedbacks de sempre, tanto a nível de personagem como de acting e isso para mim é o mais importante. As pessoas na rua falou-me muito da Nanda».

Em relação ao polémico desabafo no Facebook, a atriz reage: «O post que escrevi foi só e apenas ligado à minha produção, não foi direcionado à Plural, não é à TVI. Falei por mim, pelos meus colegas e pela minha equipa».

As reações na Plural, produtora de novelas da TVI foi branda: «Foi tranquilo. Disseram-me apenas, para quando for assim falar com eles em vez de escrever no meu jornal».

«Pensei que me pudesse prejudicar, mas aprendi com colegas meus mais velhos a não ficar calada. E se há 10 anos eu chegava e tinha uma cadeira para me sentar e tinha pessoas que olhavam para mim com respeito, faço questão de ser tratada da mesma maneira 10 anos depois e de defender os meus ideais, para que os novos que cheguem possam ter essas condições de trabalho, que estão a desaparecer», defende.

De consciência tranquila, Rita Pereira defende-se: «Primeiro, foi a explosão depois de oito meses de gravações mais dois de ensaios, em que aconteceram coisas que achei que estavam incorretas. E depois é a minha personalidade. Não acho que tenho o rei na barriga, neste momento estamos todos por igual. Eu não sei se vou ter contrato outra vez, nem trabalho. Não é por ser a Rita Pereira que posso fazer isto. Sou profissional o suficiente para poder dizer isto, posso levar na cabeça e ter consequências, mas estou de consciência tranquila».

Quanto ao contrato de exclusividade, a partir daqui, «Nada está garantido», refere, adiantando que a situação a preocupa: «Claro que sim [que preocupa]. Principalmente por ver como o país está. Passo por isso através da minha família. Sei o que se passa, apesar de ter trabalho e um ordenado acima da média. Não nasci numa família rica, conquistei tudo o que tenho, sei o que os meus pais e a minha irmã estão a passar porque são professores. Sei que, de hoje para amanhã, posso não ter trabalho, tenho o meu curso, mas também não há trabalho», desvenda ainda ao suplemento IN.