"

[Edição 112] “Avaliação Contínua”, rubrica do Zapping

Logotipo avaliacao continuaBem-vindos a mais uma Avaliação Contínua, a rubrica do Zapping que avalia os principais temas da atualidade televisiva portuguesa.

Estes são os temas desta semana:

Desta vez, dois dos temas obtiveram nota negativa. Saiba porquê:

  • JESUS:

Diretor de programas da TVI ataca “The Voice Portugal”
Nota: 15/20
É perfeitamente legítimo. O homem perde uma hegemonia de há 1000 anos. Os argumentos são perfeitamente plausíveis, embora ache que já façam parte do ADN da própria conceção universal do The Voice, e de praticamente todos os talent-shows – um bocadinho drama para a típica ”pena” do próximo.

SIC com menos investimento em 2016
Nota: 1/20
”Então diga-me, quais são as novidades?” É pena, uma estação que raramente faz 20 de share, excluindo quando transmite futebol (1 vez por semana), não querer apostar na sua grelha…a maior parte dos produtos estão desajustados na grelha – veja-se o exemplo das novelas da Globo em exibição (limitam os 15 de share, impensável há uns anos). A única coisa que salva mesmo Carnaxide, é o cinema. São bem escolhidos.

Júlia Pinheiro justifica baixas audiências de “A Quinta”
Nota: 16/20
”Que lata!” é este o primeiro pensamento que vem à cabeça. Mas no fundo, apesar de estar mergulhada num universo de flopanços monumentais, tem razão nos argumentos. Como telespectador comum, concordo perfeitamente com ela.

“Mulheres” perde Emmy Internacional para “Império”
Nota: 12/20
Já esperava. Apesar de ter gostado bastante de Mulheres, e de achar que foi das mais brilhantemente produzidas novelas tugas (e com um elenco com prestações fabulosas), Império superou no resto, tanto no investimento financeiro (que pesa certamente para eleger o vencedor), como em termos da ação e ritmo da sua história. Para o ano, certamente lá estaremos com mais uma nomeação, e quem sabe, uma vitória. Tem de ser!

  • AFONSO:

Diretor de programas da TVI ataca “The Voice Portugal”
Nota: 2/20
Mais comentários infelizes deste senhor. Já começa a chatear. Ele é péssimo no trabalho que faz (basta ver a salganhada que está a TVI, apesar de já ter melhorado um pouco) e ainda manda postas de pescada para a concorrência? E o mais engraçado é que, se calhar, o programa da RTP1 até lidera por más decisões deste senhor Bruno Santos. Afinal, ele também acaba por ser responsável por “A Quinta”. A SIC também coloca dramatismo no seu programa, só que como não lidera, o que importa para este senhor é ir atacar o programa da RTP1, descredibilizando o seu mérito.

SIC com menos investimento em 2016
Nota: 7/20
Nada que me surpreenda. A grelha da SIC já é o buraco que é, com conteúdos de extrema fraca qualidade e de reduzido investimento. Agora, até nem no horário nobre vence, claro que o investimento ainda vai ser mais pobre. Para o ano, vamos ver a SIC à tona dos 15% de share diários… tenho dito.

Júlia Pinheiro justifica baixas audiências de “A Quinta”
Nota: 4/20
Esta acordou da toca. Bom era que ela justificasse as audiências fracas dos seus próprios programas e os soubesse retificar. E diga-se de passagem, 98% da programação da SIC precisa de sérias retificações. Claro que o que ela diz não deixa de ser verdadeiro, mas se também pensa que um reality-show “ingénuo e romântico” funcionava hoje, então ainda bem que a SIC não decidiu fazer reality-shows… havia de ter uma surpresa muito “boa”.

“Mulheres” perde Emmy Internacional para “Império”
Nota: 12/20
O prémio ou era para a Globo, ou era para a Semba, sejamos sinceros. A Globo foi nomeada com uma novela das 21h, de alto investimento e com uma história de princípio, meio e fim. A Semba ou ganhava por ter a novela dos “pretos”, ou para fortalecer ligações entre os continentes. Daqui, não havia saída. Pelo menos, foi para a Globo, menos mal. Mas é o que dá, fazem seleções do mais ridícula que existe: quem no seu perfeito juízo vai pôr estas novelas contra a novela da TVI, vinda da meia-noite, com investimento de meio tostão e uma história sem intensidade (apesar de rica, não tinha drama, mortes, expulsões, nem mistérios)? Por muita qualidade que a novela da TVI tivesse (e tinha), os produtos eram completamente distintos. Era como se um miúdo de metro e meio quisesse ganhar um campeonato de basquetebol contra um de dois metros. Estava-se mesmo a ver (e era obrigação dela) que a Globo ia ganhar com “Império”, tinha muito mais fator “uau”. Tivesse ido “O Beijo do Escorpião” e a conversa seria diferente, assim sim já seriam produtos feitos na mesma linha.

Boa semana, repleta de televisão!

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close