“Sol de Inverno”: Resumo de 14 a 20 de abril

Anterior1 de 6Seguinte

 185º Episódio 

Destaque: Eduardo decide assumir publicamente a relação com Rita, quando de ela lhe conta que Laura matou Luís a sangue frio, depois de o ter descoberto ainda com vida à porta das cavalariças, negando o auxílio que ele lhe pediu

Ana conta a Rosa que recebeu uma chamada para uma entrevista de trabalho para preencher a vaga da área financeira de um ginásio. A mãe mostra-se confiante que desta vez ela vai conseguir o lugar. Ana réplica que mesmo que isso não aconteça, não irá desistir de procurar emprego. Rosa lembra-se que não ouve Camila há muito tempo e prepara-se para ir ver como é que a neta está, comentando que Nuno não merecia estar a passar pelo que está a passar por causa do pai biológico da menina querer tê-la de volta. Ana mostra-se solidária como irmão e acrescenta que Simão também está muito preocupado com a situação, concordando que a menina ficará em segurança na quinta de Laura.

Simão desabafa com Laura e diz que não está a ser fácil lidar com o pai biológico de Camila, depois de Frederico ter tentado invadir a casa onde vive com Nuno para levar a menina consigo. Laura defende que eles já deviam ter denunciado o caso á polícia, pedindo proteção. A mãe acrescenta que por ela podem ficar na quinta o tempo que quiserem, mas acrescenta que tanto ele como os irmãos parece terem um íman que atrai pessoas descompensadas. Teresa interrompe a conversa para informar que vai para casa ajudar Vicente a mudar-se para lá e sublinha que vai ser giro ter a casa cheia outra vez, apesar dos motivos de Nuno e Simão não serem os melhores.

Nuno conversa com a assistente social que liderou o processo de adopção de Camila e ela constata que podem fazer para que a polícia detenha Frederico, pois em boa verdade nada fez que justifique uma medida tão gravosa. A técnica vinca no entanto que se conseguirem provar que foi ele que roubou o processo da menina, o caso seria outro. Nuno confessa que mentiu por não ter dito durante o processo que vivia com Simão, mas a assistente social revela que não teria mudado a sua opinião por causa disso, afirmando que Nuno tem sido um pai exemplar. Ele elogia igualmente Simão, que muito o tem ajudado nessa tarefa.

Tomás procura Salvador no bar da praia e conta-lhe que Matilde e Concha foram detidas por tráfico de droga e que estão a ser interrogadas na Polícia Judiciária. Salvador fica em choque e, apesar de o amigo dizer que não vale a pena ir até lá, sai disparado do bar, preocupado com o que se possa passar com Matilde, uma vez que está grávida.

Sofia e Lé conversam com os advogados de Matilde e Concha, tentando perceber a melhor forma de libertarem as filhas e provarem que a droga encontrada na autocaravana não lhes pertencia. Sofia chega a irritar-se com o advogado de Concha que parece insinuar que Matilde é a responsável pela situação. Os advogados inteiram-se dos contornos do caso e Sofia mostra-se convencida de que Laura está por detrás de um esquema que visa prejudicar Matilde. Quando os advogados regressam à sala de interrogatório, prometem fazer tudo para libertar Concha e Matilde. Lé enche-se de esperança de que isso aconteça mas Sofia está muito pessimista, acreditando que para a polícia o caso está resolvido.

Mariano e Beatriz estão em casa de Sofia, chocados com a notícia da detenção de Matilde e Concha. Quando Adelino chega a casa tentam dar-lhe a notícia com algum cuidado mas ele fica muito transtornado e só pensa em ir tirar a neta da prisão. Beatriz detém o pai, dizendo que Sofia ficou de dar notícias quando as tiver.

Salvador chega à Polícia Judiciária esbaforido para saber notícias de Matilde. Sofia mostra má cara e não vai ao seu encontro, vendo-o cumprimentar Lé. Salvador afirma que já falou com um amigo que trabalha na PJ e que prometeu ajuda-lo. Sofia fala finalmente e conta que os advogados estão com elas. Nesse momento, Matilde aparece algemada e acompanhada por um agente. Sofia tenta aproximar-se e reclama por ver a filha algemada. O polícia manda-a afastar-se e diz a Matilde para continuar a andar. Sofia grita que está a fazer tudo para a tirar dali e salvador promete que não vai abandoná-la. Afonso, amigo de Salvador, aproxima-se dele e conta sem rodeios que a situação de Matilde e Concha não é famosa, pois ouve uma denúncia a dizer que a droga estava no carro. Sofia enerva-se e acusa Laura de ser a responsável pelo esquema que está a incriminar Matilde. Salvador diz não acreditar naquela teoria mas depois dos argumentos que a ex-sogra apresenta fica com dúvidas, pensando que ela pode ter razão.

Laura finge ironicamente perante Margarida que acredita na culpa de Matilde e afirma que se ela esteve metida no tráfico de droga a polícia tem de investigar. A filha lembra-lhe que sabe perfeitamente que foi ela quem montou a armadilha para incriminar Matilde, pois ouviu a conversa que ela teve com o detective que contratou. Laura assume que quer ver Matilde longe de Salvador e que só está a agir assim para o proteger. Matilde diz, num acto desespero que tem vontade de contar toda a verdade ao irmão, mas Laura manipula-a e pergunta o que é que Salvador vai pensar dela quando perceber que ela sabia de tudo desde o início e não o avisou. Margarida acobarda-se e prefere ir embora, afirmando que preferia nunca ter ouvido a conversa dela. Laura aconselha-a a agir como se não tivesse ouvido nada.

Na sala de interrogatório, um dos inspectores manipula Concha para que denuncie Matilde como única responsável pela droga que foi encontrada pela PJ na autocaravana. Concha resiste o quanto pode, mas até o seu advogado a tenta para que assine a confissão e incrimine a amiga. Concha sente-se pressionada e perdida, tentada a assinar o papel que lhe colocaram à frente. No entanto, ganha de novo a lucidez para contrariar o que lhe pedem e recusa trair a amiga, reafirmando a inocência de ambas. O inspector percebe que não vai conseguir o que quer e coloca as algemas em Concha, decretando que está detida por tráfico de droga e que vai ser presente ao juiz.

Lé está inquieta por ter visto Matilde abandonar a sala de interrogatório e não saber nada de Concha. O doutor Viegas, advogado de Matilde, explica que a estratégia da polícia é virar uma contra a outra, tentando fazer com que Concha denuncie Matilde e ganhando dessa forma uma prova fortíssima para jogar em tribunal. Lé garante a Sofia que a filha não seria capaz de tal coisa e as suas palavras ficam comprovadas, pois Concha deixa a sala de interrogatório e é levada, algemada, para uma das celas, tentando sorrir para a mãe, dizendo que está a ser bem tratada. O advogado de Concha explica que a polícia lhe propôs que denunciasse Matilde em troca da liberdade e que ela recusou, ficando as duas obrigadas a permanecerem detidas até serem presentes ao juiz na manhã seguinte. Sofia e Lé dizem que vão passar a noite na PJ mas Viegas aconselha-as a irem descansar para voltarem para a audiência.

Salvador conta a Simão e Nuno que esteve tentado a ficar na Polícia Judiciária à espera que Matilde saísse para a audiência com o juiz e reconhece que a situação dela e de Concha não é boa, pois podem apanhar cada uma dez anos de cadeia. Preocupado, avança que os advogados já começaram a preparar Sofia e Lé para o pior. Nuno confessa que quando viaja tem sempre o medo de um dia o mandarem abrir a mala e perceber que lhe puseram droga lá dentro sem ele saber. De seguida resolve ir ajudar Camila a arrumar os brinquedos que quer levar para a quinta, enquanto Salvador se oferece a Simão para ter uma conversa com Eduardo para que o irmão não os importune com piadas despropositadas enquanto estiverem a morar na herdade.

Rita consegue que Eduardo prometa que vai assumir a relação que mantém com ela, contando-lhe em troca que tem Laura na mão porque guardou em segredo que ela matou deliberadamente Luís, pois quando o encontrou nas cavalariças ele ainda estava vivo. Eduardo fica radiante e, seguro de si, sai do quarto de mãos dadas com Rita. Quando chegam à sala encontram Laura que percebe logo que algo de anormal se passa. Eduardo e Rita colocam as cartas na mesa e forçam Laura a aceitar que fiquem juntos. Ela não se mostra intimidada e avisa Rita de que o filho é muito inconstante nos relacionamentos e aproveita para os informar de que Nuno, Simão e Camila também vão viver ali por uns tempos, pois o pai adoptivo da menina anda a importuná-los para reaver a criança. Sem se deter, conta que Vicente também já está a mudar-se para vir morar com Teresa. Eduardo resmunga que a casa até parece uma pensão, mas Laura não lhe permite que continue a fazer aquele tipo de comentário, nem que decida quem ela pode receber lá em casa e pede pela segunda vez a Rita que lhe traga gelo. Ela acata o pedido mas afirma que vai repensar as suas funções lá em casa.

Concha e Matilde comentam a situação insólita em que se encontram, avaliando as possibilidades de poderem voltar para casa, depois de ouvidas pelo juiz que vai decidir se tem ou não indícios suficientes para as manter detidas. Concha realça que Salvador está mesmo a fazer tudo para provar que a ama e Matilde reconhece que ficou satisfeita por ele a ter ido acompanhar nesta fase difícil.

Em casa de Sofia a angustia é enorme, começando por ela, por não saber se a filha tem o mínimo de conforto na cela onde foi colocada. Adelino teme que a justiça não seja rápida a decidir se Matilde e Concha são inocentes. Beatriz tenta mostrar maior optimismo, tentando convencer a irmã de que no dia seguinte tudo ficará resolvido. Sofia mantém-se desanimada por constatar que Laura ganha sempre todas as batalhas.

Gonçalo conversa com Manel sobre Andreia e é de opinião que ela deu a entrega dos documentos que precisa que ele receba como pretexto para estarem juntos. Manel estranha que o primo perceba tanto de relacionamentos e ele assume que é um mestre do flirt. E já que a conversa é sobre mulheres, Gonçalo confessa que Concha não lhe sai da cabeça e decide que vai estudar para o bar da praia no dia seguinte, com esperança de que ela apareça por lá, ignorando que Concha está nesse momento detida na Polícia Judiciária.

Eduardo volta a ser inconveniente para Simão e Nuno, que se retiram da mesa para irem deitar Camila. Laura repreende Eduardo com dureza, ameaçando colocá-lo à parte à hora do jantar, para que ninguém tenha de ouvir as suas barbaridades.

Joana mostra o seu mau carácter ao revelar indiferença para com o momento que Matilde está a passar e dando a entender a Benedita que a prima pode muito bem ser culpada de trafico de droga e que não está preocupada em apoiá-la porque todos lá em casa se encarregarão de o fazer, pois acham sempre que ela é perfeita, ao contrario de que acontece consigo, que toda a gente critica. Joana sorri com malícia e diz que adorava ser mosca para ver como Matilde se está a dar na prisão.

Concha desperta na sua cela, com a algazarra que outros detidos estão a fazer. Matilde dá-lhe os bons dias e, segundos depois, é levada por um agente, para ser interrogada pelo juiz.

Salvador ainda está em casa e atende a chamada de Afonso, o amigo que tem na Polícia judiciária e que lhe conta que a droga que foi descoberta na autocaravana de Matilde e Concha, pertencia a um lote que tinha sido apreendido a um traficante muito conhecido na praça pelo nome de Xavier. Afonso revela que os inspectores acreditam que Matilde e a amiga estavam envolvidas com esse gangue e faz notar a Salvador que o facto de ter sido casado com Matilde não significa que saiba tudo sobre ela. Afonso despede-se dele informando que a audiência perante o juiz é nesse dia e que pode ver Matilde se o desejar.

Sofia, Beatriz e Adelino confessam que dormiram mal, preocupados com Matilde. Beatriz, sem querer fazer qualquer acusação, aventa a hipótese de Concha, à semelhança de Joana que se meteu nos comprimidos, poder também ela ter enveredado por maus caminhos. Sofia mantém que Laura deve ter contribuído para o que está a acontecer. Beatriz oferece-se para ir com ela ao tribunal onde Matilde vai ser ouvida mas Sofia prefere que ela vá para a empresa tratar dos assuntos que há para resolver. Adelino insiste que a acompanhará e não dá margem para discussões.

Ao contrário do que poderia pensar, Matilde não é conduzida ao juiz para a audiência, mas sim para a sala de interrogatório onde é novamente interrogada por um agente que pretende saber que ligação ela tem a Xavier Correia, o traficante a quem foi apreendida a droga que acabou por ser descoberta na autocaravana que ela conduzia. Matilde bebe sofregamente o copo de água que tem nas mãos e reafirma que não conhece a pessoa de quem lhe falam e que não vai assumir a culpa de um crime que não cometeu. O inspector não se mostra preocupado, senta-se à frente dela e garante que tem tempo. (conclusão)

Anterior1 de 6Seguinte
Partilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Noticias relacionadas

Ao continuar a utilizar este site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close